E viva todo mundo nu!

quinta-feira, setembro 30, 2010

 
Tirando esse título sensacionalista inspirado pelo meu lado publicitário e cretino só pra chamar sua atenção.  Não sou contra a nada, e muito menos a favor do que a maioria dita no mundo. Nem contra ao nudismo, aliás se você mulher quiser enviar suas fotos para mim fique a vontade. Já que eu nu por aí seria horrível!

Bom, se você já leu meus textos publicados no blog, já percebeu que sigo o meu livre pensamento, e tento exercer meu lívre arbítrio por mais "hipócrita" que ele seja. Hipócrita pois é dito que ele há de fato, mas na verdade nós humanos e aqueles mesmos que defendem o isso com unhas e dentes, castram o pensamento com sistemas políticos e religiosos. Deus nos castra disso desde a maçã como diz a religião!

Não defendo religião, não defendo política. Sou ateu e anti partidário, acredito que as pessoas são diferentes uma das outras. E por causa da minha busca por pensamento constante, deixo as pessoas acreditarem no que querem acreditar manifestando minha opinião, claro. Não defendo nem democracia e nem ditadura, nem capitalismo e nem comunismo, todos tem seus lados bons e ruins e sou contra a aqueles que vestem a camisa completamente de um sistema ou outro esquecendo de sua própria humanidade, sua e dos outros, já que nenhuma regra se aplica a maioria. O que é igual a religião, assunto que já dissertei aqui.

No capitalismo enquanto se trabalha duro para ter o que você quer - dinheiro - e convenhamos, nunca se tem pois não se iniciou o sistema de modo zerado, quer dizer, com igualdade de riqueza entre todos. No comunismo a ideia de "temos tudo e é para todos" acho válida também, é humanitária, entretanto, você nunca vai sair do lugar por mais que trabalhe. Nessa daí prefiro o capitalismo se for escolher um menos pior, ela nada mais é do que o forte sobre o fraco, a maioria sobre a minoria. O que convenhamos... até que é "justo", pois humanos que somos, somos competitivos, e precisamos dessa motivação diária.

Mas a democracia vigente em nosso país, tem seu lado ruim para pessoas como eu, a minoria. Minoria que no final de ano não quer ficar indo pra praia curtindo aventuras do barulho e prefere ficar de boa em casa lendo um livro. Ou se saindo, saindo com amigos pra uma boa conversa. Para pensar e refletir dentro de casa e fora dela, com amigos ou não, o que é meu passatempo favorito diga-se de passagem! Minoria que como eu não tem receio de sempre se vestir de preto e gostar de música barulhenta pra muitos, minoria nerd em sua essência que prefere um bom livro ao invés de futebol. Aqueles que como eu, fica puto da vida por ter que se submeter a uma balada que não está afim de participar por mais que os amigos sejam o mais importante, e de ser social e simpático todo o tempo. Essas particularidades são um exemplo dentre vários que há e se você partilha dessa mesma vida minoritária entende o que digo.

Chegamos ao domingo, eleições, em que a maioria vencerá a minoria, lugar em que muitos por causa disso votarão no "menos pior" e não em aquele ou aquilo que realmente acredita.

Minoria que como eu, não votará em uma política injusta e viciada, em que só existem dois partidos eternos e "válidos", PT e PSDB que ocupam maior parte na tv e são protagonistas de uma injustiça frente a essência política de igualdade. Claro que, salvo exceção de um terceiro partido, o que é raridade pois não há e não lembro de três candidatos disputando uma eleição com condições iguais. E essa mesmice faz o povo votar em um candidato menos pior, e acho que o maldito voto obrigatório faz isso. Sair de casa pra votar nulo ou em um candidato que não tem nenhuma chance é coisa de brasileiro, certo?

A democracia mais uma vez fará impor sobre mim a lei do "mais forte vence o mais fraco". Sou minoria, portanto inconformado sempre. Não defendo nenhum dos dois partidos, e independentemente deles de azul ou vermelho, nenhum dos dois candidatos, muito menos a Dilma, conquistaria minha simpatia. E ao que tudo indica, serei obrigado a engolir uma Dilma assim como engoli um Lula durante 8 longos anos assassinando o português, e serei obrigado a engolir um Tiririca que só porque é "palhaço e do povo" ser eleito com louvor, fazendo com que sejam eleitos dezenas de políticos reais para preencher as cadeiras pertencentes ao partido, aprontando de tudo menos o mais importante: me representar como legítimos defensores da democracia e do povo que dizem que passaram 50 anos "ao lado".

Não entendo sinceramente como esse milhão que vai eleger o Tiririca o vê como representante apto a defender as ideias deles próprios, eu não o escolheria nem pra representar um papel de árvore numa peça infantil, então imagine pra isso. Alguém sabe realmente se ele sabe discernir coisa séria de brincadeira? Alguém viu ele na televisão falando algo sério? Com todo o respeito, alguém sabe se ele aprendeu a escrever direito?

Isso sem falar em "estrelas políticas" como Mulher Pêra, Batoré, Frank Aguiar, Netinho de Paula, Maguila. Quem me fazem pensar. Eu posso ser político, certo? É só mutretar.

Bom, o que há para fazer para curar esse problema democrático? Nada. Melhor uma minoria insatisfeita do que uma maioria insatisfeita. É como comer um bolinho sem arrancar a cereja, ou um beijinho com o cravo da Índia!

Mas sinceramente, ter esperança no Brasil "o país do futuro" é cada vez mais difícil por causa do próprio povo. Povo que não tem a consciência necessária de que é apto a construir seu país, independentente de seu sistema político. Povo que no fim, tem esperança de um país melhor a cada quatro anos. Mas o constrói mal elegendo seus representantes por número de crianças beijadas, jingles irritantes ou piadas proferidas. E dessa merda completa, colocam "inocentemente" a culpa em seus próprios representantes como se eles tivessem feito essa merda e acabado com a esperança do povo de um Brasil melhor. Ah, por favor...

E sabe, talvez eles políticos sejam os "menos culpados" sabe? Mesmo roubando até cueca pra guardar dinheiro.

Ah, se vocês querem saber em quem vou votar é simples, não votarei em ninguém. Votarei nulo. Apertarei um botão que vai estar duro de não ser usado, buscando meu livre pensamento e vontade. Coisa que deveria ser normal como tomar um sorvete...

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários