A despedida de um Beatle

segunda-feira, novembro 22, 2010


Devo dizer que não sou fã de Beatles, aliás mal gosto. "Não pego pra escutar". E é simplismente isso, não gosto, mas não repudio. Assim como vários outros estilos de rock, BritPop por exemplo.

Toda essa informação inútil que poderá desencadear xingamentos e repúdio contra a minha pessoa, foram inspirados pela passagem do ex-Beatle o falso Paul McCartney pelo Brasil e o show que ele fez ontem em São Paulo, e fará hoje de novo, os prometidos serem os ultimos shows em terras brasileiras.

Show que devo dizer que foi muito legal pelo pedaço de meia hora que vi na Globo, onde mais uma vez foi provado que "Live and Let Die" com certeza não se torna menos épica e fodona sem a voz esganiçada e Axila Rosa, e aonde pode-se dizer mais uma vez que "Helter Skelter" foi a base do Heavy Metal antes do Black Sabbath, por que não? E "Yesterday" (além de ser a melhor música do Guns) é a música mais fofa da história das baladinhas com isqueiros acesos. Mesmo não sendo fã de Beatles com certeza comprarei o dvd bootleg do show que deve estar voando por aí desde hoje.

Boa música é boa música, isso é inquestionável. Tanto que eu não sendo fá de Beatles, é impossível não ficar hipnotizado pelo talento e criatividade de suas música e do Sir Paul. Ao ver Paul dando tchau foi inevitável o aperto no coração de voltar a realidade de bandas extremamente irrelevantes com música que não diz nada além de amor fútil adolescente, perfeitas pra tocar na rádio e na tv.

Ele ao lado de tantos outros representa a era da música, velhos músicos que morrerão um a um. Sobre isso, vislumbro um tempo onde só usarei camisetas de bandas mortas, isso é terrível.

Tenho saudades do tempo que não era nascido, não porque eu sou um emo extremamente depressivo e destrutivo de ursinhos de pelúcia e culpo Deus por ter nascido. Mas do tempo em que a Globo passava shows ao vivo ou no mínimo na íntegra sem se importar com sua pobre grade de programação. Tempos em que ela se importava com o produto histórico que o show proporcionava - Queen, Madonna, o Rock In Rio que o digam - ou tempos mais recentes que ela não impedia emissoras concorrentes de transmitir o show, a MTV que o diga com o U2 em 1998.

É a triste decepção para quem não pode ir no show, para quem queria apenas ver e escutar uma boa música como eu, e talvez para aquele que tem a chance de gostar daquilo que está vendo e escutando. Ah... não é assim. Veja, "A Fazenda 2" ganhou do show ontem no Ibope.

"Alienação, nos vemos por aqui"

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários