Sou GPS?

quinta-feira, novembro 04, 2010

Descrição: Hã? Rodando?

Não que odeie dar informação. Se sei pra onde fica o lugar informo a pessoa com maior prazer, até porque fui office-boy a alguns anos então tento dar uma "contribuição" espacial ao mundo. Se deram uma informação certa pra mim, então vou passar essa obrigação bondade a frente. Apesar que eu sempre tento me virar por conta própria através de Google Maps, guia de papel mesmo, de placas, perguntando a taxistas ou caras de banca, ou até de referências na rua mesmo. Perguntar pra pessoas comuns está cada vez mais díficil, maldito mundo globalizado...

Ah, falando nelas, nunca antes na história desse país vejo tantas pessoas "perdidas" por aí. Não sei se atraio perguntas, mas todas parece que são dirigidas a mim. Sendo que metade dessas perguntas são de falta de visão espacial (leia-se estupidez), e sendo que metade dessa metade não diz sequer obrigado, o que remete a falta de educação das pessoas. Mas deixando esse assunto de lado, vamos falar dessa desorientação.

Primeiro acho que todos deviam ter GPS. Não, não estou nesse país. Estou em um país em que quem deveria ter GPS sou eu pra informar as pessoas, já que muitas te olham na cara esperando uma resposta como se fosse obrigação - lembra daquelas que não agradecem?

Arrendondando, dou cerca de 100 informações por dia e como disse, a metade das mais estúpidas de falta de visão espacial:

- Onde fica o Ministério do Trabalho?
- Do outro lado da rua, senhor

- Onde tem uma Lan House?
- Do outro lado da rua, senhor.

- Aqui tira xerox?
- Não. Do outro lado da rua, senhor

- Onde tem um supermercado?
- Do outro lado da rua, senhor

- Aqui recarrega celular?
- Do outro lado da rua, senhor.

- Aqui tem cartão telefônico?
- Do outro lado da rua, senhor.

- Onde fica meu cu?
- Na sua bunda, senhor.

Não fizeram essa pergunta a mim, mentira. ^^

Ainda???

Não sei o que tem as pessoas, que perguntam tudo na onde estou ou é culpa do Sebo onde trabalho que atrai coisas idiotas. Aí tem a outra metade das pessoas perdidas que realmente fazem perguntas as quais merecem ser respondidas, pois o cara não sabe onde fica certa rua.

- Como faço pra chegar a Praça da Sé?
- Siga em frente e você vai dar de cara com a estação de metrô, continue na mesma rua e vire a direita pelo Viaduto do Chá. Daí, vá embora seguindo sempre em frente, e pronto.
- Ah tá, entendi. 

Significa cara de bunda e não entendeu porra nenhuma. E pra piorar ele talvez chegue ao seu destino e faltando 100 metros pergunte onde fica a mesma Praça... Porra, querem que eu pegue na mão e leve?! 

A parte do "obrigado" se refere a metade da metade das pessoas que fazem perguntas úteis ou sem visão espacial.

Talvez as pessoas estejam pensando hoje em dia que qualquer estabelecimento, principalmente um que aparente ter coisas velhas, tenha se tornado uma miséria completa onde os funcionários peçam esmolas e ainda se trabalhe com ábacos pra calcular as despesas. Por que as pessoas acham que se vende de tudo em um lugar? Num Sebo?

Ah falei das perguntas idiotas, mas não citei as mais aterradoras:

- Aqui vende bala?
(...) 
- Não

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários