E aí sobreviventes?

segunda-feira, março 07, 2011

Essa porra me assusta!
Brasileiro é perito na arte de festejar sem ter motivo aparente pra isso, entra ano e passa ano e é a mesma coisa, está tudo ótimo por cinco malditos dias em que quase nada abre na segunda-feira - no caso do Carnaval desse ano - e depois das cinzas, bom, comemoramos essas cinzas (que o diga o Carnaval do Nordeste que nunca acaba). Muitas coisas morrem no Carnaval além de pessoas, é a paciência.

O tamanho dos trios elétricos são do tamanho da duração do Carnaval de lá, emitem uma pá de gás carbônico, e o tal do vocalista do Asa de Águia vem pagar de consciente pro público plantando 50 mudas de árvores. Bom, atitude legal dele em suma, mas ecologicamente só seria se fosse "trios solares", e quero ver o público dar atenção a isso. Quer mais é sair beijando e jogando latinha de cerveja e afins no chão com seu abadá colorido, latas de cervejas no chão e falsa despreocupação assim como nos Carnavais de todo Brasil. incorporando o estilo pseudo-poético de um Bial: na vida há um tipo de baile de máscaras bizarro, as datas ccomemorativas, como essa, só enfatizam isso.

Não gosto de Carnaval, de praia, nem de sol direito. De samba e de axé muito menos, nem sei dançar, não jogo futebol, não gosto de festa popular e não sou feliz por natureza como Deus Todo-Poderoso nos criou. Então o que estou fazendo aqui? Será que não perceberam que se não estou na avenida e nem ligo o canal que passa o Carnaval, é que não quero saber dele?

O pior é que quando tudo isso acabar, volta a atenção de todo mundo pro circo bizarro chamado BBB. Mas é a vida real né? Ela é um circo bizarro. Então... o Carnaval né...

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários