A diferente igualdade

terça-feira, abril 26, 2011


Na vida procuramos a similaridade, mas no fim - surpreendentemente - queremos não só pessoas iguais, mas sim as diferentes de nós. As que são iguais são nossos amigos e as diferentes amamos, e amamos essa diferença pela complementação que elas nos trazem. Pessoalmente, me dei muito mal por ter procurado só a igualdade todo esse tempo... Talvez, metáforicamente uma pilha faça mais sentido que uma laranja.

O fracasso se divide em procurar o que não é, e ser o que não podia ser, humano demais; e ser verdadeiro demais talvez seja o principal motivo desse fracasso. Esse desfecho se baseia em falar do próprio passado como se ao expor isso, nos tornássemos mais humanos perante a outra pessoa que nos ouve, sendo que no fim, é como dar um tiro no pé que vai doer três dias depois.

Então o "jogo" pra conquistar alguém é conversar o necessário. Se você logo se "abre" demais, é transformado instantâneamente em um amigo(a) em potencial. É legal conhecer pessoas iguais a gente, mas talvez seja legal para só conversar. E por mais que ser verdadeiro e realista com quem é a pretendida pareça bom moralmente, é ruim no fim, ficamos "menores" diante a pessoa "gêmea", a que tem essa similaridade a nós que faz nos apaixonar até perdidamente.

É assim que se cai no buraco vicioso do fracasso. Nunca somos correspondidos, só levamos o reconhecimento.

Não se deve irradiar e ser o que se sente, por mais que se tenha alguém como um tipo de modelo de pensamento que vai de acordo com o próprio. Só talvez se possa, quando se tem orgulho e prepotência demasiada em vistas generosas para esconder o sofrimento que tem.

Há sempre coisas que se deve omitir para nossa proteção e em favor do "jogo da vida", pois a visão sobre nós é baseada em cima do nosso fracasso pessoal, é inevitável. Realismo demais afeta os outros, te torna um nada. Talvez fingir que não se importa é algo bom no fim.

Em suma, não importa o que sejamos, funcionamos todos de forma parecida, e o erro é esperar que não seja assim. A realidade deve ser adotada ao que vemos, não ao que somos.

Hoje passei a entender porque o mundo vive de orgulho. Porque é esse é o certo. A diferença se faz ao saber ser você mesmo na hora certa.

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários