Resenha CD: Sepultura - Kairos

sábado, junho 18, 2011

"O Sepultura é uma banda brasileira surgida em 1984, criada pelos irmãos Max Cavalera e Igor Cavalera em Belo Horizonte, MG e é considerada a banda brasileira de maior repercussão no mundo. Depois de grande sucesso, vieram as rixas, e em dezembro de 1996 chega a notícia de que Max Cavalera deixaria a banda. Frente a isso os três integrantes restantes, Andreas Kisser, Igor Cavalera (na época com um G só) e Paulo Xisto fazem audições elegendo finalistas, e em 1998 o Sepultura volta com um novo single, "Against", do álbum de mesmo nome Against, mostrando todo o poder do novo vocalista Derrick Leon Green, apelidado de Predador. Mas em 2006, a banda sofre outra baixa. Depois do álbum Dante XXI o baterista Igor Cavalera decidiu abandonar a banda antes do início da turnê. Em seu lugar, entrou Jean Dolabella. E desde então a banda segue..."


Eu sempre defendi o lado de que o Sepultura é um nome antigo com integrantes novos, que sonhar com aquele som de outrora é utopia e injustiça, justamente porque os integrantes são outros e logo, a mentalidade também. Que no fundo o que importava era boa música e só. Apesar de terem tantos que a depreciam, mantendo rixas e etc. Felizmente a opinião de muitos brazucas é de valorizar a banda e o metal nacional; e assim, apesar de no meio da trajetória terem trabalhos que não agradaram nem um pouco, curtiram bons álbuns como o "Roorback" de 2003 e ótimos como o "Dante XXI" que até resenhei aqui pro blog.

Creio que não precisava contar a história da banda, não precisava ser muito fã para saber das repercussões de álbuns e rixas que a banda teve ao longo desses anos. Mas todo o primeiro parágrafo foi pra dar introdução a pergunta:

Como uma banda que sofreu tantas mudanças de integrantes, seus fundadores, pode recuperar seu passado glorioso; sua música de raízes antigas? "Recuperar a honra" do nome da banda, reclamação tão feita pelas carinhosamente apelidadas "viúvas do Max". É possível fazer isso? E depois de ouvir o novo álbum "Kairos" respondo que sim, e que de tão bom os fãs xiitas da banda a devem desculpas por terem cuspido tanto no seu nome.

Depois de tanta expectativa chegou "Kairos" e não é trash não como muitos antigos fãs diziam de últimos álbuns da banda, e estavam acostumados a tal. É thrash metal do bom, direto e cru, uma pedrada nos ouvidos. Não tem pontos ruins a destacar, a audição do disco é empolgante a todo momento, tanto que você nem percebe direito as três introduções entre as 14 faixas. É difícil, mas se for pra dar um destaque seria pra rápida "Relentless", a thrash "Spectrum", e a contagiante "Just One Fix".

Nesse "Kairos", além de a banda nos presentear com uma capa linda e um ótimo conceito por trás, nos presenteia com atuações simples e consistentes. No vocal Derrick Green chuta bundas e entrega uma atuação que nenhum vocalista thrash botaria defeito. Na bateria Jean Dollabella diz a que veio com uma atuação simples e eficiente, empregando a bateria tribal tão famosa do Sepultura de forma precisa e eficiente. E na guitarra o Sr. Andreas Kisser, usando o trocadilho com o nome, manda todos os descrentes em sua pegada beijaram seu traseiro, ou "kiss my ass". Destaque vai também pra afinação da guitarra que melhorou 100% em comparação aos outros trabalhos, suja e pesada, uma enxurrada de riffs e solos (sim, solos). Parece que ele guardou toda sua fúria de mais de uma década especialmente pra esse disco. Excelente. Só tenho curiosidade de como essas músicas ficarão ao vivo, já que a banda não tem guitarristas base.

Melhor álbum desde Chaos A.D., com toda certeza, esse é meu veredicto depois de terminar de escutar todas as faixas. Empolgante e direto, e bate cara-a-cara com o Blunt Force Trauma da banda dos irmãos Cavalera, e arrisco dizer que até é melhor. Mas deixando de lado comparações e qualquer rixa sagrada que envolve o nome Sepultura, o importante é que temos dois grande álbuns nas mãos! Só sei que você que foi fã da banda e não vê o Sepultura mais como relevante desde que o Max saiu, está perdendo um excelente álbum e a chance de bater a cabeça e muito!

Nota? Não dou nota, mas pra esse "Kairos" arrisco um 10 sem nenhum exagero.

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

1 comentários

  1. Realmente melhor cd da banda desde o Roots e incluo entre um dos melhores da carreira. Discaço. Finalmente. E achei muuuuuuuito melhor do que o novo do CC (que é bom também mas Kairos é bem melhor mesmo).

    ResponderExcluir