Resenha Filme: Enterrado Vivo

segunda-feira, julho 23, 2012

Filmes de terror não me assustam, pode ocorrer um susto aqui e ali, mas isso é igualmente e facilmente comparado a aquele momento em que você abre a porta do elevador e dá de cara com alguém, certo?! Claro que mascarados malucos podem correr atrás de mim e me esfaquear, mas é uma hipótese tão pouco provável que vou acabar rindo dela, é o chamado imaginário. Já "Enterrado Vivo" mexe tanto com uma tensão própria que é o que chamo de um terror de verdade.

Desde quando me conheço por gente, tenho medo de ser Enterrado Vivo, ou simplesmente estar desesperado em busca de o último suspiro de oxigênio; e quem não tem esse medo? Então quando vi o trailer do filme em 2010 fiquei logo interessadíssimo pelo filme, tal cena só tinha visto em Kill Bill 2 e agora teríamos finalmente um filme digno sobre esse medo tão assustador e tão cruel. Bom, você deve ter assistido provavelmente o filme estrelado por Colin Farrell "Por Um Fio", aquele mesmo em que ele fica preso na cabine telefônica. Bom, aqui temos a mesma premissa, mas bem mais cruel.

Dirigido pelo cineasta espanhol Rodrigo Cortês, "Enterrado Vivo" não tem muito a ser dito, não só pelo conselho : "você tem que assistir", mas porque ele não tem muito roteiro mesmo. Tudo o que você precisa saber do filme é que Ryan Reynolds é Paul Conroy, um sujeito que um dia acorda e se vê Enterrado Vivo em um caixão sabe-se lá onde. E é isso. Pronto.

Com essa premissa simples e roteiro quase nulo você deve pegar se pensando: "porque preciso assistir isso?". Bom, realmente o filme tem tudo pra dar errado, mas felizmente temos o resultado contrário. "Enterrado Vivo" é angustiante, tenso, aterrorizante, tanto quanto o que o diretor tem nas mãos para fazer um filme digno. E se o mesmo não pode ser considerado genial, a direção de Cortês é precisa e capta a tensão exata que precisamos pra saber o que acontece até o final, e é disso que exatamente precisamos do filme.

Não é puxar o saco do anti-americanismo, tanto que essa realidade do ser humano é algo descartável ocorre em vários lugares e muitas vezes nem sabemos. O que sabemos bem é que por exemplo o serviço militar e as grandes empresas estão pouco se fodendo pra as pessoas. No filme, não basta Paul estar naquela situação agoniante e a única forma de ele ser salvo é resumida em um "sinto muito". Talvez essa realidade é o que nos dê mais medo ainda ao pararmos pra pensar!

Sobre o "elenco", um cara na verdade, Ryan Reynolds não é um grande ator mas aqui ele não causa problemas, aliás ele interpretou bem numa situação tão difícil e claustrofóbica. Se em Lanterna Verde dou um zero pra ele, aqui dou um dez. Engraçado que como o herói ele tinha o espaço inteiro pra voar... acho que a liberdade pra ele fez mal.

Porém dentre tantas qualidades que apontei da direção, o roteiro propositalmente nulo causou um grave erro, a cobra. Um furo de roteiro enorme é como ele não notou o fato de a cobra entrar no caixão em que ele estava e a solução que ele encontrou pra se livrar dela. Porra, botando fogo num caixão de madeira, porque raios ele não se queimou junto?

Mas esses erros a parte, ao final do filme penso que se o diretor consegue fazer um ótimo filme com tão pouco, imagine com um orçamento de verdade nas mãos. Rodrigo Cortês se saiu muito bem. Vendo de longe, "Enterrado Vivo" parece aqueles fan-films de internet feitos especialmente para quem quer sentir aflição e medo de verdade, talvez ele tenha se inspirado nisso ou nos seus medos comuns.

Se você não está em uma busca (chata) daquele clássico cult, mas quer um filme que realmente te cause algum sentimento de medo. "Enterrado Vivo" é uma boa escolha.

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários