Resenha Filme: O Motoqueiro Fantasma 2 - Espírito de Vingança

sábado, agosto 11, 2012

Desafortunados aqueles que puderam desperdiçar seu rico dinheiro soado assistindo esse filme no cinema, e desafortunados aqueles que pagaram caro pra baixar o filme no torrent.

Já vi e soube de mais de trezentos mil filmes (estou sendo hipérbole, espero) com trailers sensacionais, porém quando o filme é lançado nas telonas acaba não atendendo nem 1% das expectativas criadas. Claro, isso é como propaganda enganosa. Saber vender um produto é a alma do negócio, e nesse mundo capitalista há mais produtos sendo vendidos como gato do que a lebre que são, é o que esperamos mesmo. Mas creio que nem para a sequência de "O Motoqueiro Fantasma" isso caiba como crítica, e sim que o filme mal se resume a pouco mais de dois minutos de trailer mesmo.

A sinopse se passa oito anos depois de Johnny Blaze (Nicholas Cage) se tornar O Motoqueiro Fantasma, e assim como no primeiro filme, a trama acompanha mais de perto um Johnny Blaze tentando controlar sua maldição. No começo do filme, um flashback relembra o acordo com Mefistófeles, que o tornou no Motoqueiro. Quando o religioso Moreau o encontra, Johnny decide ajudá-lo a encontrar Nadya e Danny, sua mulher e filho. Eles terão que combater o malvado Roarke, velho conhecido de Johnny. 

Dirigido pela dupla Brian Taylor e Mark Neveldine, que dirigiram e escreveram o roteiro também dos filmes "Gamer" e "Adrenalina 1 e 2", desde o primeiro trailer deixavam claro o que viria. Com a influência do "Adrenalina" e do próprio "Gamer", teríamos um herói fanfarrão e sem frescuras amorosas (o "mijo de fogo" mostrado no trailer é bem nessa linha), algo que seria legal para o herói mas infelizmente não é o que se vê. Para exemplificar bem a impressão que tive, em vez de o "mijo de fogo" ser vista de forma divertida, o filme automaticamente nos faz relacioná-la com seu sentido mais direto: ela não tem sentido prático algum e não acrescenta nada. Assim como o filme é um grande nada.

Um dos vários problemas é a maldita câmera. Eu creio de bom coração que a dupla de diretores tentou inovar com um ângulos diferentes dando um climão mais "descontraído", assim como nos dois divertidissimos filmes protagonizados por Chev Chelios. Só que esqueceram do detalhe de que toda ideia não funciona em toda prática. Não, quem estava filmando não tinha o Mal de Parkinson que acometia aqueles que filmaram filmes como "007 Quantum Of Solace", mas durante a projeção fiquei me perguntando se o câmera sabia mesmo o que estava fazendo ali. 

Outro ponto em que vemos semelhanças da abordagem de um filme pro outro, é a transformação de Johnny para o Motoqueiro. Se no primeiro isso funcionava bem nas primeiras vezes em que Johnny se transformava fazendo caras loucas (o que combina com Nicolas Cage), pra no final do filme ele acender como o fogão da sua casa. No segundo filme isso muda totalmente com cortes especiais pra isso. Imagine um desenho animado... Sim, O Motoqueiro Fantasma fica totalmente pop aqui, e protagoniza um filme trash em praticamente toda sua duração, principalmente pelo fato de o herói ser interpretado pelo Nicholas Cage. Vejam a comemoração do Motoqueiro no final do filme e me digam se tiveram a mesma impressão!

Mas o filme tem pontos positivos sim, pouquíssimos mas tem. Sem atropelos amorosos que tínhamos no primeiro filme, aqui temos algo bem mais direto, e como herói, O Motoqueiro Fantasma está mais legal e bem mais "ignorante" (no bom sentido, claro). Outra coisa bem legal é o fato de ele poder incendiar qualquer coisa que use, como um carro ou um caminhão. Isso é algo deveras trüe (com trema e tudo)!

Tal qual tantas decepções de adaptações de HQs para as telonas como: "O Quarteto Fantástico", "Elektra" e "Demolidor", só para citar alguns, "O Motoqueiro Fantasma 2" protagonizado pelo multi-ator e homem de uma face Nicholas Cage, não agradou nenhum pouco assim como o primeiro. Forçado e com roteiro que foi escrito em um guardanapo de bar, o filme mais uma vez decepciona e faz o primeiro ser uma obra prima se comparado ao segundo. Palmas para Mark Steven Johnson, diretor de uma outra pérola: "O Demolidor", que conseguiu meu reconhecimento depois de cinco anos, quem diria!

Bom, vem por aí o terceiro pra sei lá quando. Nicholas Cage está animado com isso (claro, supostamente falido e fazendo 15 filmes por ano pra sobreviver, viver um herói novamente é uma honra), e resta a nós torcer para que ao contrário das atuações de Cage no cinema, o filme seja bom. O personagem merece isso, e não só ser bacana nos wallpapers. 

Ghost Rider: Spirit of Vengeance 
EUA/Emirados Árabes - 2011

Direção: Mark Neveldine / Brian Taylor
Produção: Avi Arad / Michael De Luca / Steven Paul / Gary Goetzman
Roteiro: Scott Gimple / Seth Hoffman / David S. Goyer (história)
Gênero: Ação / Aventura

Elenco:
Nicolas Cage - Johnny Blaze / O Motoqueiro Fantasma 
Violante Placido -  Nadya
Ciarán Hinds - Roarke
Idris Elba - Moreau
Johnny Whitworth - Ray Carrigan
Christopher Lambert - Methodius
Fergus Riordan - Danny

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários