Resenha CD: Testament - Dark Roots of Earth

sexta-feira, setembro 28, 2012

Hoje em dia cada vez mais é difícil ser original e competente ao mesmo tempo. Encontramos esse exemplo em vários nichos da sociedade em que vão desde música, atitude até o vestuário. Ser original se tornou tão uma obrigação que em muitos casos perdeu-se até a personalidade, bom senso, como você queira dizer. É claro, que realmente é difícil unir as duas qualidades em um mundo que já tem tanta história, tantas coisas feitas e tanto mostrado, e já como é uma resenha de CD vamos falar da música. Os estilos supracitados são os famigerados Metal Melódico ou Power Metal, e no caso do Testament, o Thrash Metal.

Voltando a sociedade, cada vez mais em busca de uma personalidade e originalidade para dar-lhe uma cara a ela mesma, traduzindo seus interesses e atitude, voltamos cada vez mais os olhos ao bom e velho "old-school". Só que como toda moda, confundimos isso com regra de algo bom, esquecendo do tanto que evoluímos durante o tempo com ideias novas; é como uma vitrola que além de tocar vinil seja possível convertê-lo ao MP3, e nesse caso falo especificamente da música. O Thrash Metal nos últimos tempos vem sofrendo com esse efeito retrô, uma busca às raízes.

O estilo old-school, aquele que deu origem ao estilo nos anos 80, vem sendo resgatado por diversas bandas e muita gente só reconhece esse old-school como o que vale dentro do estilo. Entretanto para mostrar o contrário, fico feliz que existam bandas como Megadeth que consigam ter sobrevivido tão bem ao longo do tempo, não abandonando completamente suas raízes, mas incorporando novos caminhos em seu som. Assim como o Testament que neste novo trabalho "Dark Roots Of Earth" mostra como chutar bundas, literalmente, e mais do que isso, saber como trabalhar suas influências sem perder sua característica mais marcante, e mostrando que nem tudo que é old-school é... "cool" propriamente.

Passando por faixas que são potenciais a clássicos recentes da banda, temos a abertura com "Rise Up", as grudentas "Native Blood" e "True American Hate", a mais calcada no heavy metal "Man Kills Mankind", e para respirar a cadenciada "Dark Roots Of Earth". Na parte de baladas temos a "Cold Embrace" que soou meio deslocada no álbum por ser a única. Vale a pena também citar que na versão especial temos quatro covers que são: a cover do Queen "Dragon Attack", a cover do Scorpions "Animal Magnetism", e a do Iron Maiden "Powerslave"; todas elas foram adaptadas perfeitamente ao estilo da banda, tanto que você nem nota que são aqueles covers forçados como bônus de um álbum.. E ah, só para citar também temos uma versão estendida da "Throne Of Thorns" que ganha uns segundos a mais da versão original e preenche o resto do CD.

Falar de Chuck Billy é caso especial e aqui mais uma vez ele canta muito, se adaptando a cada música e aos covers (principalmente a "Powerslave") com sua característica voz rouca, dando sempre sua cara a música. Mas o destaque mesmo são as guitarras de Eric Peterson e Alex Skolnick, esse aliás que com suas bases carrega praticamente a área "riffeira" do álbum nas costas contagiando Peterson e o ouvinte, e ao contrário de tantos irmãos do gênero, não soa enjoativo em nenhum momento. Impossível não bater cabeça.

Vale citar também a capa que é uma das melhores do últimos anos, minha humilde opinião.

O Testament consegue exprimir tudo que o Thrash Metal tem que ser basicamente, rápido e brutal, sem nunca parecer por demais datado como tantos irmãos endeusados do Thrash Metal. Se "Dark Roots Of Earth" pode não ser de outro mundo - e não é - , com toda certeza continua a alçar a discografia da banda dos últimos anos, com os excelentes "The Gathering" e "The Formation Of Damnation", lá em cima.

Tracklist:

1 - "Rise Up"
2 - "Native Blood"
3 - "Dark Roots Of Earth"
4 - "True American Hate"
5 - "A Day In The Death"
6 - "Cold Embrace"
7 - "Man Kills Mankind"
8 - "Throne Of Thorns"
9 - "Last Stand For Independence"

Bônus:

10 - "Dragon Attack" (cover do Queen)
11 - "Animal Magnetism" (cover do Scorpions)
12 - "Powerslave" (cover do Iron Maiden)
13 - "Throne Of Thorns" (versão estendida)
14 - "A Day In The Death" (com Chris Adler, do Lamb Of God)


Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários