Resenha CD: Kill Devil Hill - Kill Devil Hill

segunda-feira, fevereiro 04, 2013

Quando supergrupos são montados alguns tendem a ir por uma caminho nunca trilhado, enquanto outras apelam para o tradicional. Montar um supergrupo soa como "desculpa" para trilhar novos e diferentes influências de cada artista já consagrado, mas para quem acompanha a cena, como no futebol, nome não é sinônimo de sucesso. É preciso temperar aquele "arroz com feijão" direitinho para a proposta funcionar e como qualquer banda, ganhar personalidade e um som próprio, e o mais importante, não ter "vergonha" de trilhar aquele caminho tradicional indo atrás de suas óbvias influências.

Casos como Audioslave, Black Country Communion e Adrenaline Mob são belos exemplos de superbandas aonde o arroz com feijão temperado funciona, e dá força para o time entrar em campo e ganhar o jogo. Então com o jogo ganho após vermos o line-up do grupo, resta dar o play no disco e testemunhar como não é necessário ser rápido e nem revolucionário para causar um impacto no ouvinte.

No caso de hoje vou falar de uma banda que lançou seu debut ano passado mas só agora pude conhecer, o Kill Devil Hill. Puxados pelo baixista Rex Brown conhecido por ter sido integrante do Pantera e atualmente do Down, e Vinnie Appice que com sua pegada pesada na bateria, marcou no Heaven and Hell, Dio e Black Sabbath; ainda tem como integrantes Mark Zavon guitarrista de duas bandas importantes nos anos 80, Ratt e WASP; e Dewey Bragg nos vocais.

O som da banda resume-se facilmente nas bandas em que cada integrante participou: um som cheio de stoner à la Black Label Society "We'are All Gonna Die", o lado mais soturno do Black Sabbath em "Rise From The Shadows", e o peso de um Pantera mas como um lado pop de um Alter Bridge como em "War Machine"; tudo alternando entre melodias simples de refrões cativantes das bandas de hard rock dos anos 80 como em "Voodoo Doll". Tudo bem misturado, com um heavy metal puxando pro tradicional e ainda sim moderno de uma cara própria, como em "Strange", o que dá todo mérito a esse primeiro trabalho de uma banda que já se mostra entrosada.

Toda banda aqui merece um destaque. Mesmo sendo genérico a muitos ouvidos, o vocalista Dewey Bragg fez um grande trabalho mostrando na medida certa o que é preciso fazer, e o baixista Rexx Brown continua tão pesado como sua antiga banda foi. Mas os destaques maiores vão para o guitarrista Mark Zavon de riffs mais que contagiantes, já Vinnie Appice merece um parágrafo a parte por mais uma vez entregar um trabalho mais fodástico. Se Vinnie nunca fez parte do grupo de bateristas de viradas mirabolantes e técnica absurda, ele compensa tudo isso com uma precisão e pegada inconfundíveis em cada acorde do álbum. Uma bateria bem tocada faz toda diferença!

O Kill Devil Hill em seu debut não reinventou a roda em nenhum momento, mas mostrou o que seus integrantes sabem fazer de melhor: um heavy metal bem tocado e entrosado. Direcionado a aqueles, como eu, que buscam um som sem aquela complexidade absurda em cada acorde para a cabeça balançar.

Tracklist

1. War Machine
2. Hangman
3. Voodoo Doll
4. Gates of Hell
5. Rise from the Shadows
6. We re All Gonna Die
7. Strange
8. Time and Time Again
9. Old Man
10. Mysterious Ways
11. Up in Flames
12. Revenge

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários