Resenha CD: Texas Hippie Coalition - Peacemaker

sexta-feira, março 08, 2013

Como o próprio nome da banda denúncia, o Texas Hippie Coalition, ou simplesmente THC, é uma banda formada em 2004 numa pequena cidade do Texas chamada Denison. Por ser uma pequena cidade, logo, com uma quantidade muito limitada de músicos, bandas rivais eram forçadas a trabalhar juntas para criar viagens para cidades a fim de fazer shows. Originalmente a partir de bandas rivais, Ritch "Big Dad" (vocais), Randy Cooper (guitarra) e John Exall (baixo) se juntaram e começaram a tocar, escrever e eventualmente gravar juntos.

Logo a banda adicionou mais dois integrantes que são: o guitarrista Crawfish, e o baterista Ryan Bennett. Crawfish foi apresentado ao grupo por um amigo em comum e, apesar de fiel à banda que ele estava em turnê no momento, assim que eles deram uma parada, ele aceitou o convite de integrar o THC. Quando o grupo procurando por um novo baterista, eles tentaram Satnes Allen e Ryan Bennett, que era um designer gráfico da empresa que gerenciava a banda. A banda ficou impressionada com as habilidades de Bennett, e convidou-o a juntar-se a banda após a saída do baterista original. Legal não?

Não demorou muito para que o Texas Hippie Coalition emergisse do Texas e começasse a turnê divulgando seu álbum independente "Pride of Texas". Com seu jeitão de motoqueiros sulistas, eles fizeram uma turnê de costa a costa, fazendo conhecido seu som tipicamente conhecido como "southern metal", carregado de influência de Johnny Cash, Pantera, Black Label Society. e ZZ Top - só para citar alguns . É o "metal da terra vermelha".

“Nós somos tão sulistas como os sulistas podem ser “, disse Ritch “Big Dad”; o grandão vocalista de estilão de motoqueiro capaz de assustar qualquer um num bar, e de voz poderosa, uma força motriz dando toda personalidade que faz uma grande banda ser uma grande banda. E é assim que "Peacemaker", que foi lançado em 2012, se mostra. 

Destaques são o ótimo single "Turn It Up", a moderna e pesadíssima "Damn You To Hell", a bela sem ser piegas Think To Me", a sulista "8 Seconds", e a que abre o álbum com tudo "Hands Up. Como nos dois trabalhos anteriores "Pride of Texas" e "Rollin", aqui em "Peacemaker" parece que cada integrante dá seu sangue em cada música de tão poderosas que elas são. A produção excelente faz tudo ficar cristalino e mais pesado do que a banda já é, mas o grande trabalho dos integrantes do THC se sobressai sobre qualquer perspectiva. "Peacemaker" é carregado de músicas impactantes e refrões marcantes. 

Com cheiro de terra vermelha e da gasolina de um Opala 74, dirigimos pela estrada ouvindo uma música melhor que a outra, é como se fosse o ZZ Top fundisse com o Black Label Society, com o espírito Johnny Cash sendo o produtor - nós imaginamos o quão ele poderia ser fiel às suas raízes mesmo sendo produtor. Mas ao contrário do que você pode pensar essa fusão é simples e direta, mas longe de ser uma simples mescla. Podemos aqui identificar influências, mas o som do THC é inconfundível. Isso graças, repito, ao vocalista "Big Dad", que é um dos vocalistas com voz mais forte que encontrei nos últimos tempos. Todo gordão é legal mesmo!

Aproveitando a deixa, o THC vai passar pela segunda vez no Brasil, no dia 20 de abril pelo Manifesto Bar aqui em São Paulo com ingressos a R$ 80. Quem curtiu a banda tanto quanto eu, não perca!

Tracklist:

1. Hands Up
2. Damn You to Hell
3. 8 Seconds
4. Outlaw
5. Turn It Up
6. Wicked
7. Don’t Come Lookin’
8. Sex & Drugs & Rock and Roll
9. Paw Paw Hill
10. Peacemaker
11. Think of Me

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários