Resenha CD: Killswitch Engage - Disarm The Decent

sexta-feira, abril 12, 2013

O Killswitch Engage é uma banda norte-americana formada em 1999, em Wesfield, formada por: Adam Dutkiewicz na Guitarra e vocal, Joel Stroetzel na Guitarra, Mike D'Antonio no Baixo, Justin Foley na Bateria, e Jesse Leach no Vocal; este que retornou a banda ano passado substituindo (fato interessante) Adam Dutkiewicz, que além de voltar a guitarra e vocal, tocou bateria na banda entre 1999 e 2000. A banda lançou seu primeiro álbum em 2000, mas com toda certeza a banda americana ganhou notoriedade só a partir de 2004 com o lançamento de "The End of Heartache", tendo o single-título na trilha sonora de Resident Evil 2 na época, e a faixa "A Bid Farewell como grandes destaques. Sim, estamos ficando velhos.

Ao lado dos ótimos Gojira, Trivium, Lamb of God, Mastodon, e dos razoáveis Avenged Sevenfold e Bullet For My Valentine formam a cena atual norte-americana do heavy metal; renovação essa que se deu no começo dos anos 90. As bandas apesar de se enquadrarem dentro do mesmo estilo/movimento (que seja), tem características bem distintas entre si (lembram do que o Grunge significava? Bom, e se podemos enquadrar o Killswitch Engage em uma categoria, seria entre o Trivium e o Bullet For My Valentine, mas com um ritmo bem mais harmônico que as duas, com riffs dobrados e bumbos duplos alternando com vocais rasgados e limpos.

Já em "Disarm The Decent" com riffs muito mais furiosos porém mantendo a melodia de sempre, o Killswitch Engage nos entrega um álbum com músicas de pouca duração, não passando dos quatro minutos. Lembrando de que a edição especial contra com mais quatro faixas, sendo duas gravadas em estúdio e duas ao vivo (essas que não são tão boas assim). É martelada após martelada na medida certa. Tudo mantendo a sua identidade mas usando o potencial que realmente tinha nos dedos, especificamente da dupla de guitarristas Adam Dutkiewicz e Joel Stroetzel que literalmente destroçam as suas guitarras em pouco mais de 54 minutos. Resultado são pauleiras como: "New Awekening", "In Due Time", "A Tribute To The Fallen", "The Turning Point" e "The Call". 

Se você procurar lá na Wikipédia está escrito nas descrição do grupo que ele foi fortemente influenciado pelo death metal. Claro que guardando as devidas proporções e deixando bem claro que a melodia está aqui presente, pela primeira vez pude sentir essas influências na veia dos integrantes e não só na garganta rasgada do vocalista, algo que é fundamental. Isso graças também a atuação precisa de Justin Foley na bateria, espancando-a como merece. 

Até o lançamento de "Disarm The Decent" esse ano, apesar do Killswitch Engage ser de um estilo que em geral me agradava, não via a consistência que bandas como Lamb Of God, Trivium e Mastodon tem, e muito menos a criatividade que um Gojira. Só que chegou 2013 e o lançamento do dito cujo para mudar totalmente minha perspectiva. Em vez da "densidade" nos riffs, muitas vezes exagerada, que contrastava com riffs muito bons que víamos nos álbuns anteriores, parece que com a volta do primeiro vocalista Jesse Leach, a banda tomou um gãs novo e amadureceu, e o resultado é esse "Disarm The Decent".

Um discaço e o melhor da carreira do Killswitch Engage, o evidenciando de vez no primeiro escalão do heavy metal americano.

Tracklist:

"The Hell In Me"
"Beyond the Flames"
"The New Awakening"
"In Due Time"
"A Tribute to the Fallen"
"The Turning Point"
"All That We Have"
"You Don't Bleed for Me"
"The Call"
"No End in Sight"
"Always"
"Time Will Not Remain"

Edição especial:

"Blood Stains"
"Slave to the Machine"
"Numbered Days" (ao vivo)
"My Curse" (ao vivo)

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários