Resenha CD: Soilwork - The Living Infinite

segunda-feira, abril 01, 2013

Três anos atrás o Soilwork vinha com "The Panic Broadcast", álbum que para muitos recolocou o Soilwork na categoria das banda mais originais e pesadas da atualidade. Certo que este lugar para mim a banda nunca perdeu, mesmo com o lançamento do perdido "Sworn To a Great Divide", e do controverso "Stabbing The Drama", que incorporou fortes influências do que vinha rolando no mercado norte-americano na época (nu metal) e que é na discografia da banda o álbum que tem os refrões mais grudentos e cativantes. Mas como vinha dizendo, com "The Panic Broacast" a banda recuperou seu peso característico, entretanto na minha opinião, o álbum não tinha o que a banda poderia oferecer; nem de longe. Felizmente chegou 2013, e o surpreendentemente duplo, "The Living Infinite" chegou e com ele a energia dos trabalhos clássicos da banda.

Os vocais de Bjorn "Speed" Strid são um show a parte, seja qual for o álbum. Especialmente nesse, Bjorn usa e abusa de seus vocais rasgados e dos vocais limpos e igualmente poderosos. Mas nada aqui parece forçado ao contrário do que poderia ser, e problema esse que afeta muitas das bandas de hoje em dia. Gritar não é o mais importante, fundamental é que as coisas sejam como são aqui: todos os vocais são bem encaixados e fluem naturalmente entre os refrões e as partes mais agitadas. A dupla de guitarristas Sylvain Coudet e o Peter Wichers estão com os riffs afinadíssimos. Algo que se deve perincipalmente ao cabeça Wichers que participa diretamente das composições da banda e moveu o Soilwork a ser o que é.

Pra quem curte o melhor do death metal melódico e feito pelos caras que são apenas aqueles que ajudaram a moldar o estilo que conhecemos, é bom correr atrás o quanto antes pra escutar "The Living Infinite". Com uma banda afinada, ousada, e excelentes faixas de uma banda que não tem medo de se arriscar sempre incorporando novos sons a sua música, e que mesmo assim mantém uma alta qualidade durante as vinte faixas, o que é algo díficil de se alcançar. Qualidade que cá entre nós, não víamos desde "Figure Number Five".

O álbum todo conta ao todo com vinte faixas, número considerado grande e até um pouco cansativo se formos contar que a toada do álbum é basicamente a mesma, mas felizmente não é algo que acontece em "The Living Infinite", praticamente tudo aqui é de alto nível. Vale ressaltar que numa audição mais clara, a primeira parte é a mais característica e moderna da banda e a segunda mais experimental arriscando passagens acústicas e até mais progressivas, então isso vai do gosto de cada um. Todavia, já que a maioria dos destaques na minha opinião estão nessa parte, naturalmente o primeiro CD ganha na minha preferência. =)

O que falar das excelentes "The Momentary Bliss" (single que tem o clipe do velhinho agitando geral, e que você pode assistir abaixo), "Vesta", e da "Tongue"que representam bem a melodia do Soilwork de refrões cativantes? E das mais agressivas "Spectrum of Eternity", "Realm Of The Wasted", e a parte um da "The Living Infinite" que se assemelha muito ao que ouvimos no "Figure Number Five"? Sem esquecer que na segunda parte temos as ótimas "Parasite Blues", "Leech", "Rise Above The Sentiment", e a mais experimental segunda parte de "The Living Infinite".

"The Living Infinite" é completíssimo a todos os gostos. Enfim, se você não conhecia o veterano Soilwork, agora é uma boa oportunidade pra conhecer.

Errata: Ao contrário do que disse na resenha, Peter Wichers retornou e saiu da banda (2008 à 2012) participando do álbum anterior a esse citado na resenha, o "The Panic Broadcast" lançado em 2012. O guitarrista agora é David Andersson. =)

Tracklist:

CD 1

01. Spectrum of Eternity
02. Memories Confined
03. This Momentary Bliss
04. Tongue
05. The Living Infinite I
06. Let the First Wave Rise
07. Vesta
08. Realm of the Wasted
09. The Windswept Mercy
10. Whispers and Lights

CD 2

01. Entering Aeons
02. Long Live the Misanthrope
03. Drowning with Silence
04. Antidotes in Passing
05. Leech
06. The Living Infinite II
07. Loyal Shadow
08. Rise Above the Sentiment
09. Parasite Blues
10. Owls Predict, Oracles Stand Guard

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários