Resenha CD: Trivium - Vengeance Falls

Ultimamente é tarefa para poucas bandas ter uma discografia respeitável, predominantemente feita de discos em que você pode gostar um pouco menos em detrimento a outro, porém, é de acordo que qualquer disco de tal banda é acima da média. Depois de escutar "Vengeance Falls" já posso dizer que o Trivium é uma dessas bandas.

Formada em 2000, o Trivium formado por Matt Heafy (V), Corey Beaulieu (G), Nick Augusto (B) e Paolo Gregoletto (Bx) já está na estrada a 13 anos, o que é "pouco" tempo se tratando dos dinossauros que vemos por aí, mas anos de franca evolução. O petardo que se escuta em "Vengeance Falls" não é brincadeira. 

Apesar das influências de Thrash Metal e até de Death Metal, a essência do Trivium é o heavy metal, e aqui a banda executa isso com perfeição. Todas as faixas do disco apresentam refrões bem construidos e riffs matadores, mas dou destaques para a pesada, thrash e energética "Brave This Storm", a faixa-título "Vengeance Falls", a mais rápida e de ótimo refrão "No Way To Heal", a "Incineration: The Broken Wings" que conta com um riff excelente e empolgante, e a faixa bônus na versão limitada "As I Am Exploding" que é absolutamente o tipo das faixas que te fazem pagar mais caro na edição limitada - isso claro se você for aficcionado por CD's. 

Saca aqueles momentos em que a música para e você grita "hey!" quando o vocalista te convoca a levantar os braços? Sabe quando você sai cantarolando a música sem perceber? O Trivium sabe dar essa sensação. Esses momentos não se trocam.

O Trivium (ao lado de um Mastodon, Lamb of God e Machine Head) chegou em um nível de maturidade em que é difícil ter um álbum em que se diga que a banda pisou na bola. Desde "Ascendancy" de 2006, o Trivium só vem crescendo. Vieram "The Crusade", Shogun", "In Waves", "Vengeance Falls", e viu-se retratos de uma banda que nunca se acomodou em cima do seu som. "Vengeance Falls" fica melhor a cada vez que se escuta. Assim como o mais agressivo "In Waves" é preciso apreciar mais de uma vez para ter uma opinião formada mais exata - apesar que o dito cujo é direcionado a um público maior que o já citado antecessor.

Com uma pegada diferente e solos mais contidos do ótimo "In Waves", "Vengeance Falls" é como se fosse uma mistura desse com o álbum mais heavy da banda "The Crusade", então apresentando poucos vocais guturais. Algo criticável para a maioria dos fãs da banda, mas algo que é muito elogiável da minha parte. Porquê? Matt Heafy aqui soube dosar sua voz na medida certa e reafirma o fato de ser um dos melhores vocalistas da atualidade. É certo também afirmar que "Vengeance Falls" não chega ao nível de criatividade de um "Shogun" ou do próprio "In Waves", mas mesmo assim se credenciou como um dos melhores petardos do ano. É um metalcore feito na medida certa: pesado, direto, e melodioso sem perder a agressividade. 

Se você é um bicho do mato e ainda não conhece a banda, esse é o momento!

Tracklist:

1."Brave This Storm" 4:29
2."Vengeance Falls" 4:13
3."Strife" 4:30
4."No Way to Heal" 4:05
5."To Believe" 4:32
6."At the End of This War" 4:47
7."Through Blood and Dirt and Bone" 4:26
8."Villainy Thrives" 4:54
9."Incineration: The Broken World" 5:52
10."Wake (The End is Nigh)" 6:00

Deluxe edition:

11."No Hope For the Human Race" 3:59
12."As I Am Exploding" 5:51
13."Skulls...We Are 138 (Misfits cover)" 3:31

Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários