Resenha Filme: Se Beber Não Case - Parte III

quarta-feira, outubro 16, 2013

Pois é, o evento dos mais prováveis da história recente do cinema aconteceu, "Se Beber Não Case" se tornou uma trilogia. Em contrapartida isso não chega a ser novidade (não é mesmo), já que o "mecanismo" de Hollywood atualmente é pegar qualquer filme que tenha sido um sucesso, dentro de um gênero potencialmente lucrativo como: comédia, terror, ação e aventura, e espremer até o último bagaço sem vergonha alguma de repetir roteiros ou usar fórmulas batidas nos filmes seguintes. Talvez tenha sido claro demais, mas essa é a trajetória de "Se Beber Não Case".

Enquanto o primeiro longa apareceu como grata surpresa, me causando precipitações de alegria extrema e comentários com os amigos de quão legal é uma noite de bebedeira. O segundo acabou por me causar a mesma sensação, já que era uma repetição quase exata do roteiro do primeiro filme com alterações de focos de personagens.

Ok, mas ao final me perguntei: "A história foi absurdamente legal, tanto que poucos se incomodaram em vê-la de novo no segundo filme, mas o terceiro se limitaria em se repetir novamente ou adotar uma trama clichê que vemos por aí?".

Infelizmente a escapatória era essa, afinal, "Se Beber Não Case" por si só tem um roteiro bem definido, é coisa de um filme e pronto. Mas como Hollywood espreme até o último bagaço, estamos aqui falando da sua terceira parte, e como imaginava, o filme acabou adotando muito dos clichês que vemos em filmes de ação, adicionada com a parte cômica característica. Isso acabou dando um frescor pra disfarçar o desgaste da série.

Esse frescor faz qualquer fã de "Se Beber Não Case" e do humor non-sense gostar do filme, e eu confesso que me diverti com as piadas, só que bem menos que nos outros dois filmes. A "acão" adotada na trama fez por deixar o filme com um tom mais sério, trazendo mais "alivios cômicos" do que o humor ininterrupto e non-sense dos outros filmes. Até o pôster deixa isso bem claro.

Assim como nos outros dois filmes que tinham o foco maior em Doug e Stu respectivamente, o terceiro é mais focado em Alan (Zach Galifianakis). Aqui Alan recentemente perdeu seu amado pai e em depressão deixou de tomar seus remédios controlados. Por causa disso o "bando de lobos", Phil, Stu, e Doug resolvem se juntar novamente para ajudar seu "parça" a recuperar sua alegria.

Convendo-o de sua situação, o "bando" vai com ele (meio que a contragosto) de carro para deixá-lo numa clínica. Enquanto isso em Bancoc, Leslie Chow (Ken Jeong) escapa da prisão de segurança máxima em que estava e vai para o México. Mas de repente a situação tranquila e sóbria (como sempre), muda completamente quando Doug é sequestrado novamente. Lembram de Marshall, o chefe do traficante Doug Negro (Mike Epps)? Parte dos R$ 42 milhões foram roubados por Chow, e Marshall (John Goodman) só liberará Doug se ver a cor desse dinheiro. Já que Alan foi o único a encontrar Chow na prisão, os três vão para Tijuana encontrar Sr. Chow e tentar resolver sua situação. Claro que nada dá certo de primeira.

O primeiro ato do filme entrega as melhores piadas disparadamente, baseadas principalmente nas bizarrices de Alan até o encontro do pessoal com o Chow. Após o filme tomar o rumo mais comum das tramas de golpe, a parte 3 de "Se Beber Não Case" acaba por se tornar mais genérica  Divertindo, mas com a sensação de mais do mesmo, em que até os personagens Stu (Ed Helms) e Bradley Cooper (Phil) atuavam num tipo de piloto automático. Contudo, não dava para ser muito diferente disso.

De uma estrada nos States até num bar em Tijuana no México atrás de Chow, o bando volta para Las Vegas onde tudo começou. Lembram do pequenino bebê Carlos do primeiro filme e de sua mãe Jade (Heather Graham)? Pois é, o "amadurecimento" de Alan passa por essas pequenas cenas, até pela própria reflexão da situação que o pessoal se envolve no terceiro filme que é justamente por causa dele. Foi ele que acabou por procurar o Doug Negro atrás de diversão para vender as drogas (erradas) no primeiro filme, e sem isso ter acontecido, eles não teriam conhecido Chow e Marshall, e talvez a diversão não tivesse ido além da bebedeira.

"Se Beber Não Case" era um caso de se terminar no primeiro filme, mas assim como um "Velozes e Furiosos (que chegará a sétima parte) há pequenos desfechos que acabam por derivar sequências, dando um motivo a mais para rever as "ressacas" assim como os "rachas", e dando oportunidade de o estúdio faturar mais uns milhões. Então, "Se Beber Não Case III" não é um filme necessário de existir, mas que serviu direitinho a proposta de divertidamente encerrar a série como uma trilogia.

Em Las Vegas o grupo pagou por todos seus "pecados" nos filmes anteriores e esse passou toda a trama sóbrio, o que tirou muita da graça e sentido do filme. Sr. Chow e Alan carregam o longa nas costas. Tanto que, outra sensação que tive é que Leslie Chow rouba tanto a cena que talvez um spin-off do personagem talvez funcionaria mais que um terceiro filme.

Hangover Part III - EUA , 2013 - 100 min.
Ação / Comédia

Direção: Todd Phillips
Roteiro: Todd Phillips, Craig Mazin
Elenco: Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis, Justin Bartha, Ken Jeong, John Goodman, Melissa McCarthy, Heather Graham,

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

1 comentários

  1. Acho que o meu Hangover comédia favorito, todos diziam que eu era realmente muito divertdia e rimos muito. Se você quiser http://www.hbomax.tv/programacion.aspx ver mais informações sobre este filme eu deixo o link. eles recomendam

    ResponderExcluir