Resenha CD's: Flying Colors / Adrenaline Mob - Men Of Honor / Kataklysm - Waiting For The End To Come

quarta-feira, março 12, 2014

Olá pessoal rockeiro do Descafeinado!

Como vocês puderam notar, a um tempo não venho publicando nenhuma resenha sobre algum CD que venho escutando, seja ele lançamento ou não. Sobre essa escassez, admito que rola uma procrastinação diária, além de uma certa falta de inspiração nas resenhas.

Se você acompanha o Descafeinado, viu que rolou ultimamente uma resenha do game Alan Wake e da série Breaking Bad. Aí pensando aqui com meus botões numa noite enluarada e calorenta, cheguei a conclusão de que esses tipos de resenhas são mais simples de se fazer. São mídias que geram uma discussão mais acalorada consigo mesmo, logo mais simples de se fazer, e principalmente porque... eu não sou nenhum entendido crítico de música, o que faz o texto sair um pouco menos naturalmente e com uma "liberdade gramatical" um tanto menor. Sendo assim, decidi alterar um pouco o direcionamento da seção. Em vez de resenhas se tratando de um álbum específico, teremos o melhor (ou apenas) do que escutei no cujo mês. Assim deixando a postagem um pouco mais clean e tornando a leitura mais rápida e direta para quem quer saber um pouquinho do que ando escutando, sobretudo me deixando mais confortável para escrever sobre o assunto. =)

Começando pelo mês passado, analisarei e recomendarei rapidamente os novos trabalhos do Katatonia e do Adrenaline Mob, e do debut de mais um dos projetos de Mike Portnoy: o Flying Colors.

Flying Colors - Flying Colors (2012)


Como disse anteriormente, esse é mais uma das e mais uma das ótimas bandas de Mike Portnoy desde a saída do Dream Theater desde 2008. Unindo forças com Dave LaRue que trabalhou com o próprio Portnoy no baixo, o membro do Deep Purple Steve Morse na guitarra, Neal Morse que faz parte do Transatlantic nos teclados e nos vocais,e Casey McPherson da banda progressiva Spock's Beard no teclado e guitarra; o supergrupo faz de uma veia mais progressiva, mas mais pop que o seu "parente" mais próximo, o Transtlantic.

Num todo o álbum é muito gostoso de se ouvir, mas o daria o destaque para a trinca de faixas iniciais: a animada "Blue Ocean", a rockeira "Shoulda Coulda Woulda", e pra tão sentimental quanto grudenta "Kayla". O Flying Colors não poderia ter uma qualidade diferente do que se escuta no seu álbum de estreia.

Recomendadíssimo para quem quer fazer uma viagem pra longe, ou mesmo sentir-se precisando relaxar depois daquele dia difícil no trabalho. Rock progressivo de alta qualidade!

)

Kataklysm - Waiting For The End To Come (2013)


Nunca fui fã de death metal, sempre achei o estilo muito "violento" aos meus ouvidos, ou melhor dizendo, sempre preferi um metal com maior desenvolvimento instrumental do que uma bateria brutal e um vocal 100% urrado. Mas já tive a cabeça mais fechada pro estilo. Nos últimos tempos tenho escutado o canadense Kataklysm com maior atenção, e venho percebendo que por detrás de toda a brutalidade, sim, temos muito mais que simplesmente uma simples banda de death metal.

Com ótimos riffs, modernidade e o mais importante, com músicas bem variadas nos seus últimos álbuns; o Kataklysm é pra chutar o pau da barraca se você quiser ouvir algo brutal e com uma real harmonia em seus instrumentos apesar de toda sua brutalidade sangrenta. O novo "For End To Come" tem excelentes faixas: "If I Was God... I'd Burn It All", "Like Animals", "Under Lawless Skies", e a "Real Blood, Real Scars" são os principais destaques.


Adrenaline Mob - Men Of Honor (2014)

Único álbum lançado esse ano, o mais recente trabalho do Adrenaline Mob vem com a novidade de não ter Mike Portnoy segurando as baquetas. Anunciando sua saída ano passado, Portnoy disse que havia "conflitos" enormes em sua agenda da qual ele não poderia se dedicar a banda totalmente (imagino que ele se dedique no excelente The Winery Dogs). E assim seguiu, Portnoy, deixou mais um de seus bebês caminhando por conta própria, e Russell Allen e Mike Orlando chamaram A.J. Pero pra bateria.

De primeira logo se nota que Mike Portnoy não faz a falta que se imaginava de alguém com a técnica dele, porém isso era meio que evidente dado a que o AM tem linhas simples de bateria e mesmo de guitarra. Continuando a ter seu som mais moderno, e bem mais moderno nesse "Men Of Honor", a banda me decepcionou um pouquinho pela falta de criatividade nesse segundo trabalho e com Mike Orlando chegando a irritar nos seus solos muito semelhantes. Se você escutou atentamente "Omertá" entendeu o que quis dizer.

Entre altos e baixos, o Adrenaline Mob passou no teste de seu segundo trabalho. Apesar de me sentir um pouco menos empolgado, talvez pela banda não ser uma novidade como em 2012, nessa gangorra há destaques como a "Come On Get Up", "Dearly Departed", "Judgment Day", e a bela balada "Crystal Clear".

)

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários