O que passa pelos meus fones #75 - Opeth

Muitos aguardavam ansiosamente esse momento. O Opeth depois de três anos do lançamento do controverso e muito bem considerado por mim "Heritage", solta uma música inédita de seu novo trabalho chamado "Pale Communion".

O novo single se chama "Cusp of Eternity" (é impossível não ler "Cuspe da Eternidade" LOL) e traz um Opeth que, ao contrário que muitos fãs esperavam, ainda está com o "pé no freio" se compararmos ao estilo agressivo que o consagrou. Falando especificamente da faixa, ela me soou boa e uma extensão do trabalho anterior, mas sem muito brilho se eu me arriscar a compará-la ao mesmo. Uma faixa sem muita inspiração e bem simples.

É uma aposta novamente controversa, de vocais limpos de Mikeal Akerfeldt e se baseando muito no "Heritage" com suas influências e arranjos setentistas; essa que foi a principal queixa dos fãs mais tradicionais da banda.

Akerfeldt já declarou que gostaria de explorar mais suas linhas vocais e a musicalidade de sua banda, e como músicos que são, eu respeito e admiro isso. "Heritage" para os ouvidos mais atentos é uma grande experiência, e surpreendeu ao mostrar um "Opeth" que resolveu explorar sua musicalidade indo além de um death metal melódico que muitos rotularam. Provavelmente vire um álbum cult (se já não virou), tipo ame ou odeie, algo que acontece com o "Load" que o Metallica lançou a quase 20 anos atrás.

Ao que parece "Pale Communion" deve seguir a mesma linha (espero), e pelo Opeth ser surpreendente, devemos aguardar o lançamento do álbum que está programado pra 17 de julho.

Confira abaixo o novo som:

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários