RIP Orkut: A minha despedida

A morte da rede social era tão iminente que o "RIP" foi decretado a quatro anos atrás!

Fiz meu Orkut em 2006. Estava no 3º ano do colegial e aquela era a época em que meu amigo e eu dividíamos o meu computador para ver o que estava bombando na época (leia-se Humortadela, Charges e Bate Papo UOL, Fliperama, etc...) e participar das redes sociais que eram novidades, o Orkut e o MSN. Ele fez primeiro e primeiramente fui relutando durante alguns meses a fazer minha conta. Essa era a época dos convites, e ter um perfil na rede social requeria um trabalho visto a facilidade que temos hoje em da em nos inscrevermos pra qualquer coisa. Portanto era uma conquista, e minha relutação em ter um perfil lá passava pela minha indiscrição (um primata com medo pelo novo, na real) e esse trabalhinho que dava conquistar um lugar lá.

Em outubro de 2006, motivado pelos meus amigos de escola que assunto vai e assunto vem falavam nisso, resolvi fazer esta porra (nem lembro se falava porra na época tanto quanto hoje). Me inscrevi e fui lá eu torcendo pelo convite. Quem não lembra daquele O rosa do Orkut ao lado do nome? Era legal ter um né?

Eram bacanas essas viadagens, vai?
Depois de um tempo não bastava ter os conhecidos da escola adicionados lá, o que era longe antes, o Orkut fez ficar mais próximo. Então quem te achava bacana ou bonito, te adicionava. O grande defeito da rede social, como disse: era "não ter o que fazer". E essa era sua maior qualidade para socializar as pessoas, o que o Facebook em suas inúmeras qualidades, não tem. Cada um pode perfeitamente ficar na sua somente curtindo ou compartilhando o que gosta, todo mundo faz isso. Já no Orkut, para passar o tempo você precisava puxar papo com alguém ou na mais provável das hipóteses, ter fuçado seu perfil por aquelas 12 fotos que você suava em escolher.

Eram os tempos que era possível ter fãs, e classificar a pessoa em sexy, divertida, e confiável. Eram os tempos em que ter um bilhão de scraps era o máximo (e depois não ter nenhum). Era o tempo da babaquice do bom dia com glitter e da viadagem do "só add com scrap". Era o tempo daquele jeitinho de mandar uma mensagem privada através do depoimento, e de muitos troladores que o aceitavam. Quem nunca? E ah os depoimentos, realmente essa é uma ferramenta que ainda é única e faz muita falta. Conheci as discografias por lá, quem não participava daquela comunidades "Discografias"? Tinha tudo lá. A capacidade dos fóruns da comunidades só criaram frutos por ali!

Sem contar as comunidades que eram pérolas por si só, e na falta do que fazer, eu passava horas participando de comunidades e visitando infinitamente as relacionadas. Os famosíssimos blogs Gordo Nerd e o Não Salvo vieram de lá sabia?

Aliás, quando migrei para o Facebook, por um breve período de tempo relutei em deletar minha conta no Orkut. Deixei tudo desativado, a não ser as centenas de comunidades que eu tinha e hoje nessa sessão de nostalgia, me arrependo em ter deletado minha conta tão quanto ter jogado minhas centenas de tazos no lixo. Sabe dar valor quando se perde? O propósito de fórum que tinha lá era inútil, mas essa ferramenta se tornou o grande centro de humor non-sense da internet naquela época e até hoje a rede social é querida pelo sabor de adolescência que tem.

Enquanto o Facebook ia roubando a cena com sua integração gigantesca na internet e sua capacidade de integrar tudo aquilo que a gente gostava, o Orkut ficou mais obsoleto do que aquela fita K7 que você tem no fundo do armário, e inevitavelmente acabou virando peça de museu junto com ela. Os travamentos constantes, aquela nossa página inicial morta, a babaquice que tomava conta da rede social, a interface defeituosa e atrasada... Muitos foram os motivos que me fizeram deletar minha conta no site e deixar o Facebook com sua interface simples e seu funcionamento mais funcional e maduro tomar conta da minha vida. Pois é, hoje em dia não vejo mais tanta graça no Facebook como via antigamente, principalmente porque a responsabilidade é um bicho que não permite passarmos tanto tempo na internet como antes, mas inegavelmente a rede social feita por Mark Zuckerberg teve a maior sacada de todos os tempos: "o curta e compartilhe".

Com o tempo o Orkut foi se adaptando com as novidades propostas por outras redes sociais e até seu visual mudou abandonando aquelas fotos tortas e aquele azul bebê enjoativo da tela. Porém ele nunca mais recuperaria seu espaço. As mudanças em vez de satisfazer os usuários, só fizeram os irritar mais. Nessa brecha veio o Facebook, a Google desesperada criou o Google + - sem apresentar nenhuma novidade e mais irrelevante que o próprio Orkut -, e de resto você já sabe a história...

O Orkut foi o inclusor digital de muita gente, felizmente ou infelizmente, revelando o pior da insolência juventude brasileira. Presenciando nossos primeiros amores, as primeiras azarações, as muitas babaquices, as primeiras fotos de rolês, as primeiras amizades virtuais... E graças a ele talvez tenhamos tido tudo que temos hoje. Hoje temos redes sociais para cada canto da nossa vida, mas graças a aquele boom dessa pacata rede social que cresceu com a gente, aprendemos a conhecer melhor a capacidade social da internet, e a nos descrevermos no "quem sou eu" (e a ler o MiGuuXês também). Quem nunca colocou uma letra de música na descrição ou uma frase batida na descrição? Quem nunca enfeitou ou modificou seu nome de perfil?


Ah, éramos tão idiotas. =)

Lembro que tinha muitas comunidades que literalmente rachava o bico, e de tão non-sense é praticamente impossível que as veja novamente em uma qualquer homenagem ao Orkut. Entretanto, com alguma pesquisa, recuperei algumas das quais participava e outras que todo mundo tinha que ter!

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários