Resenha Filme: Invocação do Mal

quinta-feira, abril 09, 2015

Com o blockbuster Velozes e Furiosos 7 James Wan vem se revelando também um ótimo diretor de ação, mas antes disso o diretor malaio ficou famoso pela direção e produção de inúmeros filmes de terror como "Jogos Mortais", "Sobrenatural 1 e 2" e do recente "Annabelle", porém para muitos ele atingiu seu ápice criativo em "Invocação do Mal". Opinião essa que é compartilhada por mim.

Baseado em arquivos reais do casal Warren, o filme "Invocação do Mal" conta a história de uma família típica dos anos 70, os Perron, que resolvem sair da sua cidade e investem todas as suas economias em uma grande fazenda centenária e cercada de natureza, mas evidentemente o que parecia ser tranquilo não demora muito a "dar treta". Na exploração da gigantesca casa, uma das filhas do casal encontra um misterioso porão e ao raiar da manhã seguinte à mudança, o cão da família é encontrado morto misteriosamente próximo a casa. E esse é só o começo do sofrimento da família.

Na medida em que os acontecimentos ficam mais frequentes, estranhos e violentos, desesperada, a esposa de Roger (Ron Livingston), Carolyn Perron (Lili Taylor) vai a uma palestra dos renomados investigadores paranormais Ed e Lorreine Warren (Patrick Wilson e Vera Farmiga) que sensibilizados com o caso e com uma certa relutância (pois recentemente tinham encerrado um caso com a boneca Annabelle) aceitam assumir o pepino em que a família Perron se vê presa, porém, surpreendidos pela força maligna que toma conta daquela família e daquela casa, o caso se transforma no mais surpreendente e desafiador da carreira do casal.

A premissa é bem básica por ser uma família assombrada por espíritos malignos numa casa grande, antiga e com um porão empoeirada, no entanto, o que faz o filme ser o exemplo de filme de terror a ser seguido é o seu roteiro bem elaborado. Sem atropelos e direto ao ponto quando deve ser, lentamente conhecemos o casal Ed e Lorreine, a família Perron, e o fundamental: a evolução das assombrações e todo o porquê de elas estarem acontecendo.

Talvez minhas experiências traumatizantes com filmes de terror do tipo de "Atividade Paranormal" e fracassadas com "O Chamado", "A Casa dos Mortos", "Annabelle" e etc, potencializem minhas críticas ao gênero, mas convenhamos, temos que ser levados a tomar sustos, a sermos tensionados psicologicamente, e não esperar que isso ocorra. Entende o quero dizer?

"Invocação do Mal" mostrou que um bom roteiro é a base de qualquer filme que almeje ser minimamente bom e marcante para quem assiste. A tensão de uma boa história construída faz os potenciais sustos e aparições das assombrações ficarem em segundo plano, que é como deve ser, concorda? Eu sinceramente esqueci disso para ser surpreendido depois quando, tantos os sustos quanto as assombrações, resolveram aparecer para dar seu show nunca se sobressaindo mais a história para quem assiste.

Não é de hoje que o gênero terror perdeu o seu brilho que tinha a tempos atrás. Ok, não vou ser leviano em afirmar que filmes de terror não me assustam e devido à sua qualidade duvidosa não deveriam assustar a ninguém, isso condiz muito a opinião e personalidade que prefiro nem discutir. No entanto, o gênero sofre com um falta de criatividade latente a muito tempo, e se nos anos 80/90 tínhamos ícones como Freddy's (me diga alguém que não fica com medo de dormir depois de ver um filme dele), Jason's e Mike's e filmes como "Poltergeist", "O Exorcismo", "Horror em Amityville" e num tempo mais recente "Bruxa de Blair", hoje não temos filmes que procurem sair muito da linha desses temas pré-estabelecidos e ainda mais desse exemplo mais recente. Vide exemplos como Atividade Paranormal (sempre lamentável) e REC (caso em que o primeiro foi até bom).

Filmar com um baixo orçamento e provocar alguns sustos de caras feias mesclados a uma suposta tensão é rentável e é o que manda no final das contas, as chamadas "doletas". E admito também que tanto quanto o gênero de terror é limitado, é também necessário que ele procure se reinventar. Filmes de terror sempre tiveram um baixo orçamento, não é de hoje, tanto que os filmes citados por mim são toscos, mas quem não gosta deles?

O que torna tão louvável a figura de James Wan é que ele sabe muito bem aliar a figura de ícones misteriosos (Jigsaw e Annabelle) a uma tensão terrificante sem sustos desnecessários, e a também uma rentabilidade que não faz Hollywood o deixar na mão, essa que virá com a já anunciada sequência do "Invocação do Mal" para 2016 (mais conhecido como ano que vem) prometendo mostrar o real potencial da Annabelle na história (não aquela porcaria que vimos ano passado no spin-off da horripilante boneca).

Em "Invocação do Mal", James Wan se superou e trouxe o melhor filme de terror da década fácil fácil e que transformou seu nome em sinônimo do terror, assim como Stephen King é para os livros.

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários