Como é ser escravo da TIM

Na ânsia por oferecer serviços mais completos possíveis com a menor qualidade possível, as empresas ignoram qualquer necessidade que você tenha naquele momento. É muito mais simples para elas te fazerem pagar muitas vezes R$ 200 por um Discovery Channel que você nem tem tempo de ver, ao invés de te deixarem investir em uma internet de maior velocidade se esse valor está disponível no seu bolso. São os chamados combos, que hoje são um novo nome pra irritação que é ter o Canal do Boi e não ter a HBO disponível em seu pacote.

Resumindo, NET, Claro, Vivo, Tim, Oi e não sei mais quem, pensam que vivemos numa era ainda de telefone fixo e TV a cabo como se não existissem WhatsApp e Netflix. É impossível você assinar uma internet banda larga se você só precisa dela, trocar um canal do seu pacote com o objetivo de pagar o que assiste, ou dispensar do plano o bônus de SMS tão anos 2000 que ninguém usa no celular, você é obrigado a ter tudo, sempre. Como não pensar que tudo isso é feito de propó$ito?

O vídeo abaixo é um bom exemplo dessa indignação e derrota anunciada. Apresentado pela queridinha da falecida MTV Brasil, Marina Person, ela convidou alguns clientes a tentar ligar para a sua operadora e negociar seu plano do seu smartphone. Algo que eu já tentei e que é impossível, pois no contrato deve ter alguma letrinha miúda que diga que o "controle" do meu plano, na verdade, é totalmente da Tim e não meu.

Parece que estou fazendo a propaganda da Nextel, mas não estou. Cá entre nós, quem nunca se sentiu controlado pela sua operadora de telefonia ou qualquer outra coisa que tenha seu serviço contratado por você, como TV a cabo?


Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários