Resenha Animação: Hotel Transylvania

segunda-feira, junho 29, 2015

Em Hotel Transylvania o todo-poderoso Conde Drácula opera o hotel cinco estacas onde os monstros do mundo inteiro se refugiam em suas férias para se esconderem dos abomináveis seres humanos, no entanto, a abertura do Hotel nessa época é para uma ocasião toda especial já que sua querida filha gótica Mavis irá completar seu 118º aniversário e seu pai juntamente com os monstros lhe preparam uma festa toda especial. Mas Mavis está cansada dessa festas, ela quer comemorar sua maioridade (118 sacou?) explorando o mundo para o pavor do pavoroso Drácula que tem pavor dos seres humanos e faz o que pode para proteger sua filha desse mundo ao melhor estilo Rapunzel - só que sem o cabelão e com um pouco mais de consentimento...

Só que se fosse só isso o filme acabaria por aí, é aí que surge o mochileiro de cabelo desgrenhado Jonathan que acaba se envolvendo e se assustando com os monstros e acaba conhecendo Mavis. Daí por diante você já imagina o que vai acontecer: altas confusões com essa galerinha assustadora do barulho.

Em grande parte do filme a interação entre o atrapalhado Jonathan e o tão atrapalhado quanto Conde Drácula tomam conta do filme, mas todo o cast de monstros que conhecemos está aqui: Frankenstein, Lobisomem, Múmia e as adoráveis caveiras; todos elas com seus devido carisma e com suas devidas cenas hilárias. Aliás, nenhuma animação me fez dar tantas risadas e sorrisos quanto esta. 

Feita pela Sony Pictures em parceria com Genndy Tartakovsky, ou se preferirem o Sr. Cartoon Network, já que ele é o criador de grande parte dos desenhos da sua infância como o "Laboratório de Dexter", "Samurai Jack", "As Meninas Superpoderosas" e "A Mansão Foster de Amigos Imaginários", a animação tem tudo aquilo que já conhecíamos muito bem de seus trabalhos anteriores: carisma e humor. E é isso o que carrega a animação nas costas, algo que talvez faça um pouco de falta no próprio canal.

Sem fofura e cantoria gratuitas comuns em outras animações, são tantas as tiradinhas e loucuras contorcionistas que tive a aquela maluca e nostálgica sensação de estar sentado no sofá com uma boa pipoca vendo meu desenho animado preferido; uma mescla de Looney Tunes com Turma do Arrepio, cheio de personagens atrapalhados e de trejeitos que nos fazem dar um sorriso só de ver que fazem Hotel Transylvania ser uma enorme surpresa tão gostosa de ver e rever. Um jeito diferente das outras animaçoes. E partindo dessa linha de pensamento, Hotel Transylvania não é uma animação 3D e sim um desenho animado em 3D, que apesar de um estilo bem diferente empregado, tecnicamente não deixa nada a dever para as animações da Disney/Pixar ou dos outros estúdios, muito pelo contrário.

Com uma dublagem de primeira e visual tão quanto bonito e bem trabalhado em todos os seus traços, Hotel Transylvania acompanhado de uma bela pipoca, tem tudo para te divertir nessas tardes frias de São Paulo que vivemos. 

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários