O filósofo e o político


O filósofo grego Heráclito tem um pensamento muito sábio que diz: "Ninguém entra em um mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece já não se é o mesmo, assim como as águas que já serão outras.".

Esse pensamento é talvez o mais simbólico que sirva pra representar a popular batida da Polícia Federal na porta do ex-presidente e atual Senador alagoano Fernando Collor que apreendeu uma Lamborghini, uma Ferrari e um Porsche capazes de fazer inveja ao Eike Batista.

A operação Lava-Jato que começou nas empreiteiras, foi para a Petrobrás e agora atinge a mais alta classe política (e ainda há muito mais a se descobrir) envergonha o Brasil de tanta corrupção que é revelada, mas ao mesmo tempo o dignifica. Finalmente tiramos o pé da lama das investigações seletivas de homens que pareciam acima da lei, como o Collor, que como o detentor do título de único presidente deposto do cargo (pelo menos por enquanto) parece ter esse tipo de pensamento, já que declarou que esta foi uma atitude arbitrária que somente serviu para envergonhá-lo, esquecendo de que essa ação foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal e que como Senador da República era o mínimo de reconhecer o bom trabalho que a PF vem fazendo pra servir o país que supostamente ele defende. Bom, mas isso é ótimo, pois daí sabemos que ele tem rabo preso ou mesmo borra nas calças de fazer a tal da delação premiada.

O Brasil é como um atleta de esteira, corre parado no mesmo lugar. Tipo o cara que não tem coragem de correr na sua rua por medo de ser roubado, mas que faz questão de ir na academia mais chique do bairro vizinho. E eis que se passam mais de vinte anos e o mesmo personagem volta às telas das nossas televisões tal qual como uma piada ruim que os tios teimam a contar no final do ano. Os políticos não saem do lugar, o povo não sai do lugar, as reclamações são sempre do mesmo lugar.

Dizem que um ladrão é sempre ladrão. E na batida da redução da maioridade penal que somente serviu pra atestar o fracasso definitivo do governo em dar a segurança que o povo precisa servindo somente pra envelhecer os bandidos que tem 16/17 anos hoje, hoje o Collor se igualou definitivamente (não que eu não suspeitasse) mais ou menos ao nível deles. A roubalheira só ficou mais "sofisticada" do que os confiscos das poupanças da época que ele tinha cabelo lambido. Ele sofreu impeachment e não aprendeu a "lição". Bom, por quê aprenderia?

No começo do texto disse que ninguém entra na mesma água duas vezes e talvez você se pergunte onde está a relação entre o filósofo e o corrupto. Mas eis que hoje o político resolveu contradizer quem é tão sábio. 

Heráclito se sentirá motivado a repensar por causa do Brasil.

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários