Resenha Animação: Cada Um Na Sua Casa


A raça dos confiantes e baixinhos alienígenas Boov são especialistas em fugir e são condicionados a isso. Por um motivo que nenhum deles sabem bem porque, a raça alienígena dos Gorgs os persegue e nem pode saber da existência deles no Sistema Solar. Para os Boov, os Gorgs os expulsam de todos os planetas que eles tentam habitar porquê simplesmente são uma raça superior.

(Mas no que eu entendi, não passa do caso clássico do medroso que foge sem nem saber o porquê da sua fuga. Simplesmente os Gorgs tomam o planeta porque os Boov rapidamente os desabita...)

Bom, além de extremamente confiantes e simpáticos, os Boov são também ótimos súditos e obedecem cegamente à liderança do atrapalhado e prepotente Capitão Smek, que em mais uma fuga dos Gorgs, resolve apontar suas naves para o terceiro planeta do Sistema Solar, um planeta quentinho e aconchegante chamado Terra.

Na chegada ao nosso planetinha, os Boov raptaram os humanos e os realocaram em vilas (olha que amor!) com o objetivo de abrir espaço para a sua espécie sobreviver. Mas já que a história tem que continuar, entre as casas uma menina bem esperta chamada Tip escapa de ser raptada em sua casa. A là "The Walking Dead" a garota monta um carro cheio de engenhocas e juntamente com o seu gatinho chamado de "Porquinho", saem em busca de reencontrar sua mãe que não teve a mesma sorte que ela. E é aí que ela encontra o outro lado da história.

O bondoso e atrapalhado alienígena chamado Oh a muito tempo excedeu a lei do "terceiro erro" (sendo que Oh já cometeu 16), mas na recém-estadia na Terra ele cometeu um erro imperdoável dessa vez. Graças a esse erro dele, os Gorgs em breve saberão da localização dos Boov e supostamente destruirão a Terra após isso, apavorando os Boov como sempre. A missão de Oh tentar impedir que sua mensagem chegue, e o carro de Tip é o esconderijo perfeito para ele.

Quando falamos de animações logo vêm a cabeça a DreamWorks e a Pixar, e nessa batalha de gigantes, o estúdio fundado por Steven Spielberg é tipo de uma série B das animações comparando com a Pixar. Não que a DW não tenha suas qualidades, afinal, dentre seus 30 filmes lançados até o ano passado, temos "Shrek", "Madagascar", "Kung Fu Panda", "Megamente", "Como Treinar Seu Dragão" e os bacanas que só "Wallace & Gromit" e "A Fuga das Galinhas" da técnica claymotion (ou stop-motion para os íntimos), entre inúmeros outros que marcaram história desde 1994. É absurdo ignorar isso. Mas a Pixar, apesar de um ritmo menor de lançamentos, foi capaz de manter um nível de qualidade altíssimo lotado de histórias tocantes, apesar de alguns deslizes como "Valente". Já a DW apelou mais para a quantidade e animações com histórias bem mais genéricas, previsíveis e fofas, como o "Espanta Tubarões" e "Monstros Vs Alienigenas" por exemplo. E a 31º animação do estúdio, "Cada Um Na Sua Casa", também não sai muito disso apesar de exalar fofura.

O que atrai num filme de animação? A fofura certo? E falando dela, apesar da fofura dos Boov (que dão vontade de morder e apertar como disse minha namorada) e especialmente de Oh na característica de sua raça que muda de cor quando mente ou sente medo, os Boov não são muito carismáticos e nenhum deles desenvolve uma personalidade além das possíveis risadas que damos ao ver alienígenas atrapalhados que não sabem o que fazer quando se deparam com um humano, ou tipo o idiota do Capitão Smok que acha que um cone de trânsito decorado com papeis higiênicos é uma ótima coroa pra ele. Já falando da Tip, acho que é a primeira vez que vejo uma protagonista negra nos filmes de animação, ponto para a DW. =)

"Cada Um Na Sua Casa" é uma animação que entre inúmeras outras é bem passável, pois em seus momentos de humor não arranca muitas risadas e não ultrapassa muito a linha dos filmes pipoca pra se ver num fim de noite com a namorada ou na Sessão da Tarde. É tipicamente uma animação para vender brinquedos e entreter baixinhos, ou amantes das animações que apenas querem ficar quietinhos "vendo desenho". Em outras palavras, é somente legal.

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários