Resenha CD: The Sword - High Country

terça-feira, setembro 22, 2015


Tá certo que a banda de stoner The Sword nunca foi muito de se acomodar em um determinado "jeito de tocar". Seu stoner variava de graves guitarras e riffs marcantes como no já clássico "Age of Winters" (que muitos devem conhecer por causa da faixa "Freya" que está no jogo "Guitar Hero 2"), a rapidez e riffs mais ligados ao heavy de "Warp Riders", a sujeira pura de "Gods of the Earth" e a pegada mais clássica adotada em "Apocryphon". E em "High Country" lançado nesse ano essa veia setentista clássica foi levada ainda mais ao pé da letra do que em "Apocryphon", porém, com essa viagem psicodélica através do hard rock, o The Sword perdeu aqui o que sempre lhe marcou como maior característica: o peso das guitarras. E esperando mais um petardo em meus ouvidos, achei isso uma pena.

Não sou profundo conhecedor do rock setentista tanto quanto gostaria de ser (minha pegada é mais heavy), mas lembrando de duas bandas que vem em minha mente quando ouvi "High Country", o The Sword mesclou seu stoner e fez questão de pisar forte com os dois pés no hard rock blueseiro de bandas como ZZ Top, Thin Lizzy e Deep Purple juntamente com a psicodelia de Emerson, Lake & Palmer - claro que guardadas as devidas proporções. 

Esse lado podemos ver claramente em "Empty Temples", "Suffer No Fools" e "Mist &; Shadow", na pegada de "The Dreamthieves" (a melhor do álbum!), e nas prog "Turned To Dust" e "The Bees Of Spring". Enquanto que o lado stoner que pende pro lado do The Sword aparece em "Tears Like Diamonds", "Ghost Eye" e em "Buzzards" (também outro destaque). Há até espaço para experimentações acústicas na bela "Silver Petals" que me fez sentir sentado em uma varanda de uma casinha de veraneio do Texas, e eletrônicas, como na curta "Serious Mysterious" que se assemelha bastante com algo que o Muse faria. E bom, achei desnecessária a tentativa já que não combina nada em um álbum que já não me agradou tanto.

Bom, acredito que o maior mérito de qualquer banda não seja permanecer no meio comum. Não importam as reclamações, o que qualquer banda tem que fazer é buscar sua evolução musical sem perder suas maiores características, e como acabei deixando claro ao final do primeiro parágrafo, o problema aqui acaba sendo justamente esse. Talvez esteja sendo fanático e chato demais em reclamar (e é difícil criticar uma das suas bandas prediletas), mas também não sou obrigado a gostar de tudo que essas bandas fazem, pois entendo que agir dessa forma transpassa o fanatismo e invade o limiar da estupidez. Enfim, acho que não estou aliviando nas palavras, mas sempre devemos ter senso crítico e separar o que gostamos do que não gostamos, concorda? 

Voltando ao caso de "High Country", o principal mérito que pode se arrancar do álbum é justamente o que a curta discografia da banda texana deixa claro: a diversidade. Nenhum dos cinco álbuns é parecido um com o outro. E é a partir dessa ideia é que entendo o que o The Sword buscou aqui e o que outras bandas buscam quando fazem álbuns que fogem um pouco de seu lugar comum. Tanto que quem tocou a faixa "Freya" no Guitar Hero com toda certeza vai estranhar "High Country" e se perguntar se ele estará escutando a banda errada. 

Após várias audições, também posso dizer que o dito cujo é o claro exemplo de álbum que poderia chamar mais atenção se a banda tivesse outro nome ou mesmo se você não faz ideia do que é o The Sword, já para todos os outros (como eu) que acompanham seu trabalho desde o início, por mais que "High Country" seja bom, ao final da audição sempre dá aquela sensação de estranheza como se faltasse algo a mais. Por ter altos e baixos é certo pensar em "High Country" como um álbum meia boca para os padrões da banda, mas isso também depende muito da sua compreensão. 

Agora é esperar a próxima surpresa que eles aguardam para o próximo álbum.

Tracklist:

1. "Unicorn Farm" 0:50
2. "Empty Temples" 3:55
3. "High Country" 2:37
4. "Tears Like Diamonds" 3:46
5. "Mist and Shadow" 5:26
6. "Agartha" 2:23
7. "Seriously Mysterious" 2:45
8. "Suffer No Fools" 2:43
9. "Early Snow" 4:15
10. "The Dreamthieves" 3:57
11. "Buzzards" 4:13
12. "Silver Petals" 2:37
13. "Ghost Eye" 3:15
14. "Turned to Dust" 3:31
15. "The Bees of Spring" 3:57

  

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários