Quanta diferença na luta final entre o Demolidor e o Rei do Crime em 2003 e em 2015!

quinta-feira, outubro 15, 2015

Era 2003 e muito antes de podermos sonhar com a série fenomenal que a Netflix juntamente com a Marvel produziu, nem sonhávamos com a própria Netflix... Os tempos eram outros, a internet se movia a manivela, você usava o MSN, e nem existia a Marvel no cinema - aliás, ela estava quase falida. Nessa época distante, e juntamente com os X-Men, Homem-Aranha e Blade, o filme do Demolidor foi um dos filmes desbravadores do gênero que quase virou sinônimo de cinema e eles, bem ou mal, ajudaram a entupir o nosso calendário dos celulares até 2020. No entanto, se os tempos eram outros, o jeito de fazer esses tipos de filmes também era. E se os três citados foram agradáveis surpresas e são reconhecidos até hoje, o Demolidor de Ben Affleck é responsável por uma das maiores vergonhas alheias dessa curta história.

Bom, tem gente que adora o filme, claro, afinal gosto é que nem cu; mas ele é o tipo do filme que apaguei totalmente da minha memória e olha que nem vi inteiro, mesmo admirando muito o Demolidor como personagem. Após ver o vídeo da luta do Rei do Crime/Wilson Fisk interpretado pelo gigantão Micheal Clarke Duncan RIP (o John Coffey de "Espera de um Milagre") e o Demolidor/Matt Murdock interpretado por Ben Affleck (o futuro Batimão), percebi que não estava nem um pouco errado em julgar esse filme como um retumbante fracasso.

Comparar 2003 com 2015 é covardia, mas pra quem assistiu a série da Netflix em que Vincent D'Onofrio encarna o Rei do Crime e que Charlie Cox encarna (de corpo e alma) o nosso amado herói ceguinho, até se emocionou ao ver que a cena final do 13º episódio apagou e com louvor toda a artificialidade da cena final do filme de 2003 que parecia mais um trabalho de TCC da faculdade de cinema.

Veja por você mesmo:


Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários