Pela "falta de ação" de The Walking Dead dou um muito obrigado!


Não costumo falar de séries sem esperar sua temporada terminar, mas em relação ao quarto episódio da sexta temporada de The Walking Dead fui obrigado a abrir uma exceção. O quarto episódio chamado "Here's Not Here" mostra o que fez Morgan chegar até ali, só. E esse é o ponto.

Logo choveram críticas, principalmente das pessoas perto de mim dizendo que o episódio foi chato pois não teve ação nenhuma - uma crítica recorrente ao longo das temporadas da série - e daí quero fazer uma pergunta: o que é "não ter ação" exatamente? Primeiramente e acima de tudo TWD, por mais que tivessem zumbis no meio, nunca se caracterizou por ser uma série de ação, pelo contrário, é um drama misturados a momentos de ação. São humanos que lutam pela sua sobrevivência contra os zumbis e contra eles mesmos, e várias vezes esse mote foi deixado bem claro na série.

"Here's Not Here", da excelente sexta temporada que TWD vem tendo até agora, é um caminho corajoso que a série traçou para si mesma se negando ao mais simples que é continuar a história a partir da suposta morte do Glenn e tapando um buraco da série que é de como Morgan chegou até ali em Alexandria. 

Quando somos apresentados a Morgan na glória do final da 5ª temporada, ele se depara com um Rick ensaguentado tendo lutado contra zumbis e sendo obrigado a matar um humano ao mesmo tempo em que constantemente reprime seus desejos em tirar do caminho qualquer um que se oponha a ele. Em contrapartida temos Carol, que age exatamente como Rick faz, mas no alto de sua pose de dona de casa em 5 temporadas, se mostrou a mais equilibrada entre todos do grupo, capaz de escolher da forma mais direta possível o que fazer nos momentos mais cruéis e se tornando a mentora de Rick capaz de controlar a pouca sanidade que lhe resta. Nesse quarto episódio passamos a conhecer o personagem que julgamos chato e sem noção por deixar o mais assassino dos assassinos vivo, o contraponto de Carol e do próprio mundo apocalíptico, o primeiro amigo de Rick, Morgan.

Nesse quarto episódio somos apresentados a um homem no limite da sua sanidade, matando zumbis e humanos somente para sobreviver em seus instintos mais básicos e irracionais, em outras palavras, como seria um Rick sem ter uma Carol e um Daryl ao seu lado e sem ter seus filhos Judith e Carl pra pensar duas vezes. Um dos personagens mais bem construídos de toda a série, Morgan era sozinho, traumatizado por ver esse mundo lhe ter levado sua mulher e seu filho, ele era um homem MUITO diferente daquele Morgan que conhecemos no começo da série ao lado de Rick.

No lindo filme "Um Sonho de Liberdade" o personagem Red diz: "O homem quando está preso, faz qualquer coisa para ocupar a mente". E quando falamos de prisão, é sobre qualquer prisão. A prisão que o mundo se tornou em TWD, sem escolhas e sem misericórdia.


Morgan lentamente absorveu a filosofia do Aikido pra si e Eastman lhe fez perceber que sim, ainda haviam pessoas boas no mundo. "Here's Not Here" trata-se de esperança, trata-se de ainda se sentir humano no meio de toda aquela bagunça, e nesse episódio passamos a entender melhor porque Morgan age da forma que age. O célebre Dr. Gregory House disse: "Há homens que são bons, há aqueles que tentam, há aqueles que desistem". E Morgan aprendeu com Eastman a não desistir.

É mais cômodo ir pelo caminho mais simples e resolver com violência a violência. E tá certo o que você está questionando na sua cabecinha... essa não é realmente a melhor forma de agir dentro daquele mundo pós-apocalíptico realmente. E até pela ação gostamos que as coisas sejam mais simples e diretas, como Carol faz e que foi muito bem apresentado no terceiro episódio "Thank You". Mas lembra da frase de Red no parágrafo anterior? Talvez Morgan tenha absorvido essa filosofia pacifista por no fundo acreditar que há alguma esperança e que há sim alguma chance em encontrar um lugar bom recheado de pessoas boas, um verdadeiro sonho de liberdade e justiça que o fez recuperar a sanidade que ele tinha perdido na sua jornada até encontrar Eastman.  São utopias de Morgan, mas quem não sonha com utopias? Isso faz parte da humanidade de cada um. Hoje e sempre. Dizem que uma mente desocupada só pensa no que é ruim e essa filosofia foi seu porto-seguro que o fez reocupar a mente e voltar a ter ânimo de sobreviver e estar ali com Rick. 

"Here's Not Here" pra mim, talvez foi o melhor episódio dramático de TWD até hoje, não só deixando bem claro de que é capaz da série sobreviver sem o ar da graça de Rick e cia, mas também apresentando um ritmo totalmente diferente de narrativa, quase que um spin-off da série dentro da série. Seus diálogos, ações e eventos foram todas tratadas de uma forma poética, construindo um episódio profundo que foi capaz de deixando a morte de Eastman e até da cabrita Tabitha extremamente triste e sentida, além de nos fazer compreender como Morgan é e porque se tornou assim. Hoje o respeito bem mais. 

E voltando à queixa comum de "falta de ação". TWD também nos relembrou nesse episódio que é uma série de ação, mas sobretudo uma série de personagens e uma série que é capaz de contar boas histórias, como a de Morgan, sem encheções de linguiça desnecessárias como aconteceram em outras temporadas. Não adianta pedir o ritmo alucinante de Orphan Black por exemplo, é querer demais, The Walking Dead também exige paciência e compreensão de espectador. E entre a matança de zumbis desenfreada (mais de pessoas ultimamente), nesse episódio a série mostrou o quanto esquecemos disso muitas vezes. 

Entre tantas coisas que eu penso, na verdade, não tem nada melhor na vida do que meus heróis, um bom rock n' roll, cerveja, fritas, e um bom papo com uma boa companhia.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários