O Esquadrão Suicida de Tarantino

Na minha resenha do "Esquadrão Suicida" procurei deixar claro de que ele era sim um filme divertido apesar de seus inúmeros defeitos, e acho que um deles, motivado pela classificação indicativa direcionada ao público mais jovem e até infantil, era a ausência de violência. Claro, é compreensível pra mim, mas ao falarmos de heróis e não vilões, naturalmente acaba se esperando um direcionamento um pouco mais sério de uma Arlequina por exemplo, que no filme vivia um romance de conto de fadas com o Coringa muito mais focado na sua bunda do que no taco de beisebol que ela carregava. Mas enfim, são visões muito particulares do que queríamos e não queríamos.

E Quentin Tarantino? Que saudades desse cara que no começo do ano chutou a porta com "Os 8 Odiados". Cada filme do diretor é marcante pois traz personagens inesquecíveis sempre regados a muito sangue. Posso citar o macarrônico Aldo de "Bastardos Inglórios", o fodão Jules de "Pulp Fiction, as mortais The Bride e Gogo de "Kill Bill", e o mito Django de "Django Livre"...

Já que a DC reuniu sua equipe num filme pra chamar de seu, e se Tarantino resolvesse fazer a mesma coisa? Com certeza o relacionamento do Coringa e da Arlequina iria ganhar outro direcionamento em suas mãos! Talvez numa Terra 2 quem sabe. LOL

O pessoal da Loot Crate Studios ganhou meu respeito ao realizar esse sonho molhado.

Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Voltando
Next Post »
Comentários
0 Comentários
0 Comentários