post Resenha Anime: "Your Name" (Kimi no Na wa) - DescafeinadoBlog

Resenha Anime: "Your Name" (Kimi no Na wa)

terça-feira, janeiro 09, 2018


As lembranças são o que nós somos, representam o passado que nos guiam para o que nós chamamos de como vida e nos encaminham para a única certeza que é a morte. Nesse meio tempo, a busca de um propósito é o que dá sentido a ela e alivia a nossa dor que pode ser a existência, quando esta torna-se desprovida de sentido quando não temos como compartilhar os momentos. Aliás, são raros os momentos que somos felizes e até mesmo quando temos um propósito definido para nós mesmos. Sendo assim, o longo caminho até essa definição é lotada de incertezas, e logo, de angústia. 

Diante à essa angústia que nos toma conta quase sempre, surge o desejo de "ser outra pessoa". "You Name" (Kimi no Na wa no original) é um belo e singelo anime que em um assunto tão batido e besta até certo ponto, aborda um ponto de vista que nos angustia diariamente, e ao seu final nos ensina uma lição de empatia e lida com as memórias, o tempo e o destino, mostrando a importância dos laços (literalmente) entre duas pessoas. 

De um lado temos Mitsuha, uma garota do ensino médio que mora na cidade de Itomori que está entediada com a vida no campo e deseja morar em Tóquio; de outro temos Taki, um garoto também do ensino médio que mora em Tóquio, estuda para ser arquiteto e trabalha em um restaurante, mas em contrapartida deseja outro tipo de vida que ele nem mesmo sabe bem qual é. Em comum, os dois desejam ser outra pessoa.

Um sonho. De repente, toda vez que eles caem no sono os dois percebem que trocam de corpos toda a noite e que isto não é apenas um mero sonho comum, mas de alguma forma real. Além do fato cômico de isto acontecer e de isso ter sido abordado em incontáveis filmes, nos levando logo à reflexão da aceitação sobre si mesmo e a própria vida. 

Mitsuha e Taki a cada vez que trocam de corpos perdem a memória (daí vem o título), então com o intuito de diminuir os perrengues que isso acarreta, começam a trocar mensagens para "lembrarem" do que aconteceu e de si mesmos nessa viagem doida. O que rende boas piadas, não só pelo gênero distinto, mas sobretudo pelas realidades distintas que os jovens vivem e que ao mesmo tempo os aproxima pela empatia.

Um detalhe do roteiro que por si só mostra um Japão de contrastes tão fortes que hoje convive tão harmoniosamente. Paralelos em que num lado temos uma Japão tecnológico e rico em sua capital, e de outro no interior, numa cultura ainda por vezes Imperial, que é enraizada por fortes tradições e crenças espirituais.


Não dá pra falar muito de "Your Name" sem dar muito spoiler, principalmente devido ao fato de essa ser uma história tão singela e com um belo plot twist em sua metade final, portanto, passível de se sentir e não só analisar. 

O que dá pra dizer é da qualidade dos traços absurda que dá vontade de emoldurar cada frame (nunca vi um crepúsculo animado tão lindo), onde o clássico e o moderno convivem harmoniosamente e de uma bela trilha sonora incidental que conversa com o filme, ajudando a didatizar certas questões do roteiro que podem não parecer claras naquele momento. 

E realmente em muitos momentos me vi confuso em meio a tantas trocas de corpo e personalidades que se confundiam cena a cena, chegando ao ponto de em sua metade inicial acabar me vendo um pouco distante da história. Talvez seja falta de bagagem cultural, mas em contrapartida essa mecânica confusa aliada com o visual, sem contar o fato de não conhecer a animação de 2016 antes de ela entrar no catálogo da Netflix essas semanas, me ajudaram a ser surpreendido pela qualidade, e assim, até tirar melhor proveito da história.

Enfim, entendo que são paralelos e confusões que são propositais do autor Makoto Shinakai, onde ele construiu uma história em que não é necessário um contraponto e muito menos explicações racionais para nos tocar e nos ensinar da importância das lembranças que são capazes de ultrapassar o tempo. 

É um quebra-cabeças que lentamente se monta. 

"Your Name" ou "Seu Nome" exige contemplação, e dando tempo ao tempo, termina por ser uma mensagem comovente que demonstra a importância da memória em relação ao amor, e como quem amamos de alguma forma jamais caem no esquecimento, independendo da distância e do próprio tempo.

PS: Embarcando no fenômeno do anime no Japão, não demorou nada para ser anunciado que "Your Name" ganhará uma versão live action para Hollywood, através da Paramount em parceria com a produtora de J.J Abrams. Bom, o anime tem "cara de filme", então tem tudo para dar certo. Ou não...

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários