post Resenha Série: Philip K. Dick's Electric Dreams #06 - Human Is - DescafeinadoBlog

Resenha Série: Philip K. Dick's Electric Dreams #06 - Human Is

terça-feira, maio 22, 2018


Em 2055 a Terra está morrendo, praticamente não há vida e o ar está sufocante. Os (supostamente) poucos humanos sobreviventes estão relegados à vida subterrânea (o labirinto), enquanto o Estado desfruta do conforto de uma cápsula e dele resta a esperança de, na exploração de outros planetas, encontrar a substância fundamental para a sobrevivência.

Silas Herrick (Bryan Cranston) é o general que fica responsável pela missão no perigoso planeta Rexor IV para a coleta dessa substância, e a contragosto, sua esposa Vera (Essie Davies) fica sendo a responsável por coordenar a missão e pelo seu posto na sua ausência. A questão é que a missão dá muito errado e todos os tripulantes juntamente com a nave são combatidos pelos Rexorianos, mas surpreendentemente Vera é alertada de que a nave está retornando à Terra com a valiosa substância e dois tripulantes sobreviventes, um deles sendo Silas.

Só que o foco de "Human Is", como o próprio título nos diz, são os seres humanos. Melhor dizendo, "o que nos faz humanos". E certamente esta é a pergunta que transcende qualquer obra de PKD.

O general Silas é um tremendo babaca, mas provavelmente esmagado por ser um humano que se ateve as obrigações de gerir um planeta fadado ao fim - como todos naquela nave, aliás. Mas de uma postura extremamente fria distante de sua esposa, Silas retorna da sua missão diferente, como um esposo agora bondoso e amoroso com Vera.

Em nenhum momento PKD esconde o motivo por trás dessa mudança de Silas, pelo contrário, somente usa de tal motivo como um trampolim pra discussão da trama sobre a natureza humana e sobre o que realmente importa. "Human Is" vale pela jornada, e é um bom episódio pra cessar um pouco o horror moderno chamado spoiler.

Em filmagens e através da confissão do outro sobrevivente, Vera e sua tripulação ficam sabendo que ao contrário do que Silas declarou sobre sua lembrança do acontecido, os Rexorianos não foram mantidos fora da nave, se apoderando dos corpos dos sobreviventes.

Dados como uma espécie extremamente perigosa, sem empatia ou misericórdia, é uma crítica sutil o fato de os Nexorianos terem a aparência de um neurônio humano...

Tomando o topo da cadeia alimentar, os homo sapiens tornaram necessidade a segregação de sua raça, principalmente após a revolução agrícola e o estabelecimento da propriedade ao longo dos séculos - feudalismo, capitalismo e blá. Então o cerne da a questão, é que a humanidade ao longo de sua história nunca ligou para a sua aparência, mas sim para o que pudesse a classificar como superior. Conflitos e guerras são geradas a base de identidade e propósito, quer dizer, ao longo dos séculos, brancos se enxergarem como superiores a índios, negros, judeus e etc. E para os mais fortes e poderosos, é preciso alcançar o seu objetivo a qualquer custo. No caso de "Human Is", trata-se da sobrevivência.

No episódio temos várias visões: aquela religiosa, aonde Vera simplesmente creditaria a Deus a epifania de Silas, que após sobreviver milagrosamente a missão resolveu dar valor a ela; ou para o fato, onde Silas agora é um Metamorfo supostamente perigoso e totalmente amoral. PKD não desvaloriza nenhuma delas, aliás, é a forma singela que o autor trata do amor que nos faz abrir aquele sorriso.

Nexorianos e humanos são diferentes em sua aparência, mas a pergunta que paira é por que os primeiros são julgados como amorais e selvagens? O episódio não nos diz o porquê, mas PKD coloca na mesa o fato de um alien tornar um ser humano mais humano do que um... humano.

Vera em um primeiro contato estranha a postura amorosa de Silas, afinal, o roteiro dá a entender de que houve uma relação forçada entre os dois. O que é até natural. No entanto, quando Silas é descoberto e inicialmente reluta a aceitar a acusação, sem saída, ele se sacrifica por Vera. Como ele então seria amoral?

Sacrifício, bondade e amor; se isso não é ser humano, não sei mais o que pode ser. PKD aquece corações no mais belo e dramático episódio de "Electric Dreams".

PS: Duvido que você não sentiu aquela saudade de Bryan Cranston como Walter White. =)

As outras resenhas do Descafeinado sobre "Electric Dreams":
E01. The F Maker - O totalitarismo de PKD
E02. The Impossible Planet - Os sonhos para nos manter vivos
E03. The Commuter - Há um lugar melhor para nós?
E04. Crazy Diamond - Talvez tenhamos que olhar para trás
E05. Real Life - O peso das nossas lembranças

Postado por André Prado
Estudante de publicidade, formado em nerdices em geral, pós graduado em Netflix, e phD em piadas idiotas. Gasto dinheiro em comida e com livros que não tenho tempo pra ler.

Você pode curtir também

0 comentários